Um padre beirão no Alentejo.

Há largos anos que nos conhecemos e cruzamos principalmente nos tempos em que a Comporta, a sua praia era desconhecida da maioria dos portugueses. Os tempos mudaram. Do passado alguns arrozais, algumas habitações com as cores brancas e azuis, as cegonhas a nidificar e a estrada poeirenta que dá acesso à praia. Ao largo já não passam os pescadores nas traineiras carregadas de peixe, principalmente a sardinha, a caminho da lota de Setúbal.


Há dias numa tarde quente de domingo de Agosto propositadamente abordei alguns paroquianos, para saber se o seu Pároco se encontra na sua residência. Todos foram unânimes na informação, “ ou está em casa ou na Igreja na Adoração ao Santíssimo”. Acertaram no último palpite, lá estava na Igreja dedicada a Nossa Senhora da Saúdes, com alguns fiéis, enquanto milhares de banhistas se refrescavam na praia.


Com o coração aberto e franco, a disponibilidade e fraternidade apanágio de um beirão, recebeu-me no seu gabinete de trabalho. Olha-se para os diversos ângulos e verifica-se que se mantêm fiel à sua terra natal – Manteigas, aos seus antepassados. Nunca a enjeitou, nunca a minimizou ou escondeu, nunca viu incompatibilidades entre ser de um lugar serrano e estar no mundo alentejano. Aprendeu a amar a aldeia local, para amar a aldeia global. Livros, fotografias, um enorme painel paisagístico de Manteigas afixado na parede, indica a todos visitantes as suas origens beirãs, serranas enquanto o mobiliário tem chancela alentejana.


Adalberto Tacanho Saraiva abriu o livro das suas memórias para indicar que nasceu em Manteigas em Setembro de 1928, filho de um gerente da Fábrica de Lanifícios – Fábrica Boqueira e de uma regente escolar.


Feitos os exames primários, ingressa em 1939 no Seminário de Santarém, (Patriarcado de Lisboa), segue-se Almada, terminando em 1952 os Estudos Teológicos no Seminário dos Olivais – Lisboa.


Motivos de saúde impedem a ordenação, que vai acontecer em 1953 na Capela do Seminário de Évora, por D. Manuel Mendes da Conceição Santos, um Bispo que morreu com fama de santidade, indigitado para Patriarca de Lisboa, mas forças políticas da época, não o permitiram. O jovem Padre Adalberto opta por ficar a pertencer ao Presbitério da Diocese de Évora.


A primeira missão pastoral foi co
mo Capelão do Hospital de Reguengos de Monsaraz, que terminou ao fim de um ano. Entre 1954-1958 na Escola Prática de Artilharia em Vendas Novas, exerceu funções de Capelão Militar, uma experiência muito positiva, espaço onde se criam grandes amizades, onde há camaradagem. Não esquece o saudoso militar Major Ramos, um grande condutor de homens, estimado pelos soldados, que foi tragicamente assassinado na Guiné, quando ia conjuntamente com outros oficiais para conversações de paz com o PAIGC.


Em 1959 foi para Coadjutor do Pároco Venceslau Gil de Viana do Alentejo, durante um ano, para se seguir uma nova tarefa eclesiástica, Secretário-Adjunto da Curia Diocesana Eborense, trabalhando com D. Manuel Trindade Salgueiro.


Novamente, por problemas de saúde esteve parado algum tempo, para em 1961 é nomeado Pároco de Melides, onde esteve treze anos e Comporta, onde atualmente ainda se mantém.


D. Manuel Falcão, Bispo de Beja pede-lhe para dar assistência espiritual aos reclusos do Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz, serviço que desempenhou durante vinte anos. Gostou de trabalhar numa instituição muito específica, com dinâmicas muito próprias a requer uma assistência religiosa muito própria. Muitas notas positivas a comentar, mas não esquece a disponibilidade para receber na Paroquia da Comporta alguns reclusos estrangeiros pobres, que assim beneficiaram de saídas precárias concedidas pelo Juiz do Tribunal de Execução das Penas. Ali arranjei-lhe dormida e no Centro Paroquial tomavam as refeições. Era uma situação de risco, ma apostou-se nos homens e não ficou arrependido.


A Paroquia da Comporta tem um Centro Paroquial com diversas valências, uma Creche, Jardim de Infância, ATL e Apoio Domiciliário. Não esquece a fundação de um Agrupamento de Escuteiros na Comporta, um grupo de paroquianos muito dedicados e com diversas atividades, uma Catequese muito dinamizada, crianças, catequistas e pais interessados.
Salienta que a Eucaristia Dominical é o ponto mais importante da comunidade da Comporta, um tempo de evangelização.
D. Manuel Martins, Bispo de Setúbal pediu-lhe para dar assistência religiosa a muitos turistas e banhistas, que ocorrem a Troia, local turístico por excelência.


Este jovem padre beirão de Manteigas com 88 anos de idade, 60 anos no serviço pastoral no Alentejo, (assistente religioso de hospital de Reguengos de Monsaraz, do estabelecimento prisional de Pinheiro da Cruz, capelão militar na Escola Pratica de Artilharia em Vendas Novas, secretário da cúria diocesana de Évora coadjutor e pároco), contínua no seu posto de ação missionária e evangelizadora na Comporta e Troia.


TANTA VIDA…


António Alves Fernandes
Aldeia de Joanes
Setembro/2016

29379913025_097dbf2d67_z

Comentários

Comentários