Autor: Antonio Fernandes

NEGRUME EM LISBOA

NEGRUME EM LISBOA Estamos nos finais de Abril do corrente ano, com a natureza a desabrochar e a despertar as cerejeiras em flor no Fundão. Porém, o nosso Homem continua a sua via crucis na antiga capital do império, devido ao poder de improviso de uma maldita doença. Vê-se numa unidade militar a respirar um perfume de algas e só os médicos e enfermeiros sabem que mais.   Nunca pensou, volvidos mais de 50 anos, que voltaria aos espaços militares, aos hábitos de quartel e recordasse tanto o Curso de Oficiais Milicianos, fardamento, formatura, máscara de combate. Os doentes...

Read More

ALDEIA DE JOANES – ENCONTRO ANUAL DA FAMÍLIA

ALDEIA DE JOANES – ENCONTRO ANUAL DA FAMÍLIA   “O Segredo é que o AMOR é forte e o momento da discussão aconselha aos esposos não acabarem o dia sem fazerem as pazes” Papa Francisco     Há sete anos, por iniciativa de Natália Bernardo, lançou-se em Aldeia Nova do Cabo a semente que germinaria num convívio regular para melhor conhecimento dos nossos familiares, concretamente dos Lambelhos, dos Bernardos de Campos e dos Roxos. Todos têm as portas abertas para estar neste Encontro, que já deu bons frutos em Aldeia Nova do Cabo, na Quinta da Ramalha, na Quinta da...

Read More

A NOITE DO ANIVERSÁRIO

A NOITE DO ANIVERSÁRIO É no coração de Lisboa, na Colectividade “Os Amigos do Minho” (local de encontro, amizade e cultura, fundado em 1954, que urge defender contra as mãos gananciosas dos hoteleiros), que decorre o maravilhoso jantar de aniversário do meu filho Mário Tiago. Numa sala acolhedora, ilustrada com fotografias dos fundadores, encontram-se rapazes e raparigas das mais diversas idades e proveniências: beirões, minhotos, ribatejanos, algarvios, lisboetas… Vejo também um sul-coreano a falar um português impecável (dizem-me que é o tradutor de Fernando Pessoa), uma rapariga chilena apaixonada pelo cinema português e até um realizador japonês que passa...

Read More

À MINHA SAUDOSA MÃE

À MINHA SAUDOSA MÃE “Mãe: Que desgraça na vida aconteceu, Que ficaste insensível e gelada? Que todo o teu perfil se endureceu Numa linha severa e desenhada? Como as estátuas, que são gente nossa Cansada de palavras e ternura, Assim tu me pareces no teu leito. Presença cinzelada em pedra dura, Que não tem coração dentro do peito. Chamo aos gritos por ti — não me respondes. Beijo-te as mãos e o rosto — sinto frio. Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes Por detrás do terror deste vazio. Mãe: Abre os olhos ao menos, diz que...

Read More

UMA QUINTA – FEIRA SANTA DIFERENTE

UMA QUINTA – FEIRA SANTA DIFERENTE   Já cá estou em Lisboa há alguns dias, e hoje, quinta-feira Santa, tive a visita dos meus irmãos Francisco e João, bem como do meu amigo e irmão escuta António, mas Alçada. O tempo convidava a um passeio e lá fomos os quatro deambulando pelas ruas da capital a cheirar o aroma marítimo misturado com o pó da poluição de tantos carros e, vejam lá, também de algumas obras. Estando em tempo pascal, e querendo fazer a boa ação diária, tentei convencer o grupo a fazer uma visita à Obra de Santa...

Read More

Subscrever via email

Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 7 outros subscritores