Endireitem-se os caminhos tortuosos e aplanem-se as veredas escarpadas. (cf. Lc 3,1-6)

 

Deus estava no alto e desceu ao mais profundo da nossa miséria.

Deus é a Luz e fez-se Caminho acessível e leve.

Deixemos os caminhos tortuosos da mentira e da corrupção.

Abandonemos as veredas escarpadas do sucesso fácil e rápido.

Alteemos a humildade e o serviço por amor e abaixemos o orgulho e a vaidade, a arrogância e a violência.

É que a caridade precisa de ciência e de discernimento, de perseverança e de perdão, de generosidade e de paciência.

 

A linha reta da autoestrada e do aviãofaz da acessibilidade um estilo veloz de vida,

uma ansiedade por chegar, numa insatisfação de ser.

Paga-se para chegar rápido à meta

e faz-se da vida um alcançar projetos e etapas,

em estado de emergência, de fuga e de ambição.

Para alcançar esta vida veloz e em linha reta,

aceitamos seguir por caminhos tortuosos

e veredas escarpadas que destroem vidas e relações,

aprofundam injustiças e divisões, enganam a vida e a esperança.

 

Senhor, soa o despertador do Advento e fico espantado:

tanto correr de lado para lado sem avançar nem crescer

em humanidade e caridade, em ciência e discernimento,

em gratidão e felicidade, em bondade e santidade.

S. João Batista, profeta que nos prepara para acolher Jesus,

ajuda-nos a abandonar os caminhos tortuosos em que andamos,

a abaixar a ambição e os sonhos de vaidade que nos devoram,

a altear o olhar para o essencial e o que permanece para a eternidade.

Que este Advento nos prepare para ver a salvação de Deus!

Segundo Domingo do Advento