3º Domingo da quaresma – são João de Deus.

Jesus, porém, falava do templo do seu corpo. (cf. Jo 2,13-25)

Jesus é a casa de seu Pai, candelabro da luz divina,

templo de comunhão de Deus no homem.

Cristo estendeu este Templo vivo à Igreja

e fez de cada membro pedras vivas que louvam o Pai.

Jesus não se reconhece num templo transformado em praça,

nem em relações gratuitas mercantilizadas e idolátricas.

Por isso, ontem e hoje, Ele quer purificar a sua Casa,

expulsar os demónios que nos possuem e nos alienam,

fazer da Igreja e de cada corpo um lugar de encontro,

que louva a Deus e eleva a dignidade humana.

A Igreja recomenda o sacramento da reconciliação,

“ao menos uma vez por ano” e “comungar pela Páscoa”.

É pouco limpar a casa e alimentar a fé que age pelo amor,

apenas uma vez por ano!

É que nos habituamos e começamos a achar normal

viver na idolatria do consumo, no comércio dos afetos,

no ideal egocêntrico e na indiferença ao irmão.

E quanto menos vezes sentirmos a frescura dum corpo lavado,

menos necessidade sentimos de tomar banho,

o pior são os coitados que vivem ao nosso lado!

Senhor Jesus, restaurador da aliança e purificador dos corações,

cura-nos do medo de te deixarmos entrar na nossa a vida.

Entra e arruma as prioridades pelas quais damos a vida

e expulsa de nós tudo o que não é amor gratuito.

Dá-nos o teu Espírito de discernimento, para que nos ilumine

e fortaleça os nossos compromissos de conversão,

aproveitando mais habitualmente do sacramento da reconciliação.

Pe. José Augusto

3º Domingo da quaresma - são João de Deus

3º Domingo da quaresma – são João de Deus

Comentários

Comentários