A ideia nasceu pelos funcionários do BPSM em finais de dois mil na Covilhã. A finalidade era cimentar a amizade e a solidariedade entre todos, com a celebração da Festa de Natal e Fim do Ano. Entretanto, alargou-se aos bancários do Fundão, dado que muitos tinham trabalhado na Agência da Covilhã. Os objetivos a alcançar não eram cifrões, o número das ações, os investimentos nem sempre bem-sucedidos, muitos mal parados. As motivações eram de confraternização, de vivências e recordações.

Os fundadores José Manuel Teixeira, Ilídio Filipe, Emílio Martins e António Brojo Esteves deram corpo e vida a esta iniciativa na Quinta da Raivosa em Penamacor, propriedade de um companheiro de profissão – António Ribeiro Toscano.

Estava criada a ASAE do BPSM – Associação Sénior dos Antigos Empregados do Banco Pinto e Sotto Mayor-, com a realização, sempre que possível, de convívios de dois em dois meses.

Durante estes catorze anos, o espaço geográfico desta tertúlia de bancários reformados do Banco Pinto e Sotto Mayor (Agências no Fundão e na Covilhã), tem-se diversificado e permutado: Unhais da Serra, sempre na Festa de Natal; Quinta da Amontoada de José Luís Oliveira André, junto ao Miradouro do Cruzeiro; em Janeiro de Cima, Fernandes; em Penamacor, António Ribeiro Toscano; em Aldeia de Joanes (Quinta do Campo), José Simões Gregório; na Fatela (Palácio Conde Penalva), Manuel Tavares; nas Penhas da Saúde, na Casa de Ilídio Filipe; na Sertã Manuel Mata Gaspar, em Orjais António Canário Marques da Silva; no Souto da Casa (Carvalhal), Juvenal Castanheira; em Mata (Castelo Branco), João Gonçalves; e em Castelo Novo, Carlos Bragança.

Nestes Encontros, todos os ex-bancários do BPSM podem e devem aderir, com exceção de um ex-gerente bancário, vetado por todos por unanimidade.

No dia 17 de Dezembro decorreu o 55º Encontro em Unhais da Serra, uma vila do termalismo, onde mais de vinte elementos confraternizaram. Vive-se a quadra natalícia e o almoço forçosamente tinha de ter como ementa o bacalhau com couves e batatas. Todos colaboraram na sua confecção.

O Presidente da Associação Sénior deu as boas vindas, felicitou os presentes a quem desejou Boas Festas e um Bom Ano. Pediu para que se guardasse um minuto de silêncio por todos aqueles que já partiram.

Foi lida a ata do encontro anterior, realizado em Aldeia de Joanes, na Quinta do Campo, de José Gregório, com a particularidade de ter sido redigida num restaurante do Soito (Sabugal), na famosa “Sopa dos Cornos”. Colocada à votação foi aprovada por unanimidade.

Também se determinou que o próximo encontro irá realizar-se a 25 de Fevereiro de 2015, em Castelo Novo, sob orientação de Carlos Bragança.

Seguiu-se um passeio pedestre pela Serra da Estrela, na direção da Barragem do Padre Alfredo (Covão do Ferro), numa estrada com mais de cinquenta anos, que surpreende pelo bom estado em que se encontra. Alguém comenta que “ nesses tempos não havia luvas “. Vieram à conversa as lutas sindicais no antigo regime, com o líder do Sindicato dos Bancários Daniel Cabrita, que alguns presentes ainda recordavam pela força com que representava os trabalhadores do sector bancário. Quando essa força desapareceu, irrompeu um clima de perseguição, medo e represálias. Recorda-se com amargura a prepotência de um gerente bancário do Fundão, o tal que, por votação lavrada em ata, não tem acesso a estes encontros.

Carlos Bragança, juntamente com Juvenal Castanheira e José Almeida, participaram no Centenário do BPSM em Santarém, onde foi entregue uma lembrança da efeméride a cada um.

A noite caía há muito e em cima da mesa estava um leitão na Bairrada e um bolo-rei. O prazer de saborear esta boa comida foi igualado pelo prazer de ouvir os fadistas Carlos Bragança e António Canário Marques da Silva.

Parti à procura das opiniões dos intervenientes, aqui ficam registadas:

António Ribeiro Toscano

“ Estes convívios já são realizados há longos anos. É um acontecimento que considero único a nível nacional entre Bancários Reformados. Considero que estes encontros são imensamente saudáveis para todos e com um grande significado. Sentimos muita alegria, ajuda e, não raras vezes, sentimos o astral mais elevado, contribuindo para o nosso bem-estar.”

José Teixeira – Teixoso

Nós não queremos ser como muitos bancários que trabalharam juntos e, quando se cruzam na rua, já não se conhecem. O espírito que animou esta Comissão nasceu e cresceu na Covilhã e com o José Gregório do Fundão, que vinha às nossas festas de Natal. Criámos a ASAE – BPSM”

Juvenal Castanheira – Souto da Casa – Fundão

“ É muito bom. É pena não estarem todos. Alguns vivem com problemas, cansados. Eu almoço todos os dias com a minha mulher, portanto este dia é diferente, venho almoçar e confraternizar com os meus ex-companheiros bancários.”

José Simões Gregório – Coutada – Covilhã

“ Adoro estes encontros, são agradáveis e amistosos”.

António Canário Marques da Silva – Orjais – Covilhã

“Isto é uma maravilha. Este encontro é para não perdermos o convívio uns com os outros. Há aqui uma equipa que sempre se deu bem. Aqui não há “ovelhas ranhosas” Há que nutrir a amizade e sempre que falta um, queremos saber, embora quase todos justifiquem a falta. Também recordamos os que já partiram.”

Rosa Maria de Jesus Raposo – Covilhã (a única senhora presente)

“ Pelo convívio estou aqui. Se não fosse assim nunca via os meus colegas. Venho sempre.”

Joaquim Fernandes Curral – Monte Brás – Marmeleiro – Guarda

“Informo-o que em criança ia com o meu pai, que tinha o meu nome, comprar cereais, feijão e outros produtos agrícolas à sua aldeia – Bismula (Sabugal). Na Zona Arraiana e já empregado bancário, também ia caçar muitas vezes na Zona do Planalto do Côa. Quanto ao convívio, estou a reviver os tempos em que trabalhávamos no Banco. Trago a minha viola e procuro tocar para o grupo.”

José Augusto Pires Almeida – Fajão – Pampilhosa da Serra

“Correu tudo muito bem. Alguns colegas faltam, mas deviam vir…”

João Manuel Nunes Sampaio – Aldeia de Joanes – Fundão

“Mais um convívio da ASAE do BPSM com a tradicional ementa natalícia. Nasci em Aldeia de Joanes, tenho lá muitos familiares e vejo a minha terra com muitos progressos.”

Alberto Barbosa – Fundão

“Convívio agradável, trocam-se impressões, confraterniza-se e convive-se.”

José Silva Tanganho – Covilhã

“Este tem um gosto especial, em Unhais da Serra, neste ambiente que se enquadra na época que vivemos – o Natal. Que perdure por muitos anos.”

José Vaz Pinto – Fundão

“Foi um magnífico convívio, um dia bem passado com grande camaradagem.”

Carlos Bragança – Castelo Novo – Fundão

“Estes almoços da ASAE (Associação Sénior dos Antigos Empregados do BPSM) são uma forma de continuar a amizade, que contraímos nos balcões do Banco do Fundão e da Covilhã, como trabalhadores da instituição.”

 

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Dezembro/2014

Comentários

Comentários