A LUZ DE BELÉM

 

Este ano na Sé da Guarda realizou-se a Cerimónia Nacional de Partilha da Paz de Belém, uma iniciativa do Corpo Nacional de Escutas e da Cáritas Nacional, que teve início em 1986 na Áustria, com o objectivo de ajudar crianças com dificuldades sociais e económicas.

Três anos depois, os Escuteiros e Guias de inúmeros países associaram-se à iniciativa que não é mais do que a transmissão de uma luz partilhada por todos aqueles territórios, ganhando uma dimensão universal.

Anualmente uma criança austríaca vai à Gruta da Natividade em Belém, e recolhe numa vela a CHAMA, que brilha no sítio onde Jesus nasceu. Em seguida, essa CHAMA vai numa lanterna até à Áustria, sendo difundida através de diversas lanternas para toda a Europa. No caso português, a responsabilidade de trazer esta Luz da Paz de Belém tem sido incumbida a um grupo de Escuteiros do CNE, que de automóvel a transporta para o nosso país, com o devido cuidado para a mesma nunca ser apagada, tendo percorrido sem parar dois mil e quatrocentos quilómetros desde a cidade de Linz (Áustria) até à Sé da Guarda.

A continuidade da transmissão desta Luz cabe a cada Região e Agrupamento Escutista que se fizeram representar na cerimónia, salientando-se uma delegação do Agrupamento 1353 de Aldeia de Joanes, que no passado dia 17 de Dezembro realizou uma cerimónia na Igreja Matriz.

Nesta Liturgia muitas foram as famílias que levaram para suas casas lanternas com a CHAMA, que teve origem na Gruta da Natividade de Belém.

Neste âmbito a cerimónia, realizada na Sé da Guarda no dia 16 de Dezembro, foi de grande importância para os católicos portugueses, porque foi o ponto da propagação da luz partilhada para todo o país, incluindo os Açores e a Madeira.

Esta Luz complementa o Presépio, olhando para uma simples e pobre criança, que simboliza o nosso Príncipe da Paz.

Por este motivo na Sá da Guarda fizeram-se representar os principais dirigentes nacionais e regionais do Corpo Nacional de Escutas, o Presidente Nacional da Cáritas Portuguesa, elementos da Fraternidade Nuno Álvares bem como muitas autoridades civis, nomeadamente a Câmara Municipal da Guarda, tendo-se notado a ausência do Bispo da Guarda e do Assistente Regional, cuja nomeação se estranha tardia.

A Eucaristia foi presidida pelo Assistente Nacional, que enalteceu a presença maciça dos Escuteiros e outros católicos, que deixaram o seu conforto familiar para marcarem presença, apesar das condições climatéricas desagradáveis. Também teve palavras de apreço para o Grupo Coral dos Escuteiros que abrilhantou a cerimónia.

Numa oração que nos convida à reflexão, salientou a importância desta Luz que ao mesmo tempo é tão frágil, mas tão poderosa. Frágil porque é apenas uma pequena CHAMA numa vela. Poderosa pelo que representa e transmite ao coração de todos os crentes.

Partindo da Gruta da Natividade e chegando até às nossas casas para colocar junto ao Presépio, junto à lareira, numa janela, tendo viajado de mão em mão sem se apagar, faz de cada um de nós o papel de mensageiros da Paz, da Partilha e do Amor para com o outro neste Natal de 2018.

 

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Dezembro/2018

 

Comentários

Comentários