ALDEIA DE JOANES – UMA DESPEDIDA
“Estou no mundo, mas não sou do mundo…”
Jesus Cristo

A vocação é por excelência um código de vida, sempre muito exigente, sempre muito gratificante, sempre muito nobre, pois tem como base um gesto amoroso de Deus…
Ser padre, ser pároco, é acima de tudo uma atitude de vida para aceitar sair de si mesmo, para dar lugar e entrar no mundo do outro, acolhê-lo na sua totalidade, pegando nele e conduzindo-o para Deus.
Ser padre, ser pároco, é apanhar de Jesus Cristo, este jeito do Bom Pastor, que com humildade, discernimento, determinação, autoridade pacífica, conduz o seu rebanho às melhores pastagens, isto para citarmos as palavras da Sagrada Escritura.
Ser padre, ser pároco em Aldeia de Joanes ou em qualquer outra comunidade cristã, é um dom do qual todos beneficiamos: em sabedoria, espiritualidade, capacidade de oração e ajuda ao próximo…Partilhamos os mesmos projetos, os mesmos fracassos, os mesmos sucessos, os mesmos momentos de profunda meditação. Se assim acontecer as comunidades sentem-se reconhecidas, gratas por estes atos bondosos dos seus párocos, servidores de Deus.
Na Paroquia de Aldeia de Joanes, ninguém, nenhum paroquiano, ao longo de quase trinta anos passou indiferente á passagem do Padre Casimiro Mendes Serra. Mesmo no meio de dificuldades, de sucessos ou insucessos, é justo manifestar uma gratidão comunitária. Ser padre, ser pároco, nesta Comunidade, como em todas as outras, requer um desprendimento total de si próprio, por vezes renunciar à sua própria vida, (temos o exemplo de milhares a dar a vida pelo Evangelho), para servir os outros.
Concretizado o seu desejo de partir em missão para outras paróquias vizinhas, não esquecerá as horas de júbilo, de tristeza, de avanços e recuos, que passou em Aldeia de Joanes, na certeza de não lhe dizermos um “ adeus”, mas sim “até já”, um “até amanhã.”
No dia 11 de Setembro as gentes das Quintas de S. José – Aldeia de Joanes, uniram-se, recolheram alguns donativos para a compra de uma lembrança e organizaram um pequeno lanche partilhado. Antes, os cristãos quinteiros participaram na Eucaristia Dominical.
A Catequista Cláudia Patrícia Nunes Melfe, conjuntamente com Ana Filipa Cruz elaboraram um texto ao homenageado, que se sintetiza: “saber amar é encontrar a felicidade de vida e no palco desta, não há duas pessoas iguais. O Padre Casimiro em trinta anos foi de grande dedicação, empenhamento e entrega à comunidade das Quintas de S. José, um testemunho de fé, um transmissor de amor e esperança. Aqui foi pároco, amigo, conselheiro, visitador dos mais idosos e investidor nesta Capela. Em nome das gentes das Quintas de S. José desejamos tudo do melhor, pedindo a Deus que lhe dê muita saúde, força e coragem”.
No dia 15 de Setembro decorreu na Igreja Matriz de Aldeia de Joanes a última Eucaristia Dominical de despedida, com a participação dos grupos de trabalho da Comunidade Paroquial (Catequese, Irmandade de S. Vicente e Almas, Grupo Coral, Comissão Fabriqueira, Cáritas e a presença dos Escuteiros do Agrupamento nº 1335 do CNE da Paróquia e representantes da União das Juntas do Fundão.)
No final, interveio um elemento da Comissão Fabriqueira – António Sequeira Fernandes-, elogiou o trabalho realizado durante trinta anos pelo Padre Casimiro Mendes Serra. Este organismo ofereceu um pergaminho e um paramento, custeados pela generosidade de alguns paroquianos.
O Ex-presidente da Junta de Freguesia – António Albino Sousa de Carvalho, com longa experiência e vivência autárquica, fez uma retrospetiva de todas as obras realizadas durante estes anos na Paroquia, num espirito de colaboração entre as duas instituições.
Também o atual presidente da União das Freguesias do Fundão, Manuel Malícia da Trindade enalteceu as virtudes do Padre Casimiro Mendes Serra, ofertando-lhe uma salva de prata pelos serviços prestados nas paróquias de Aldeia de Joanes e Aldeia Nova do Cabo.
O jovem João Nogueira Godinho, em nome de toda a Catequese, leu uma mensagem de agradecimento pela disponibilidade demonstrada ao longo de trinta anos de serviço nesta Paróquia. De seguida duas crianças entregaram-lhe uma lembrança, cujo símbolo é a “ Sagrada Custódia,” que para os menos crentes é a rosa-dos-ventos, mas cuja raiz é a mesma: ser fonte de orientação para o seu e nosso caminhar.
O Padre Casimiro Mendes Serra, muito sensibilizado, agradeceu as palavras que lhe foram dirigidas e as recordações recebidas, referindo que um dos maiores patrimónios desta comunidade são as pessoas e a sua generosidade. “ Sou e fui um pároco de Aldeia de Joanes e de Aldeia Nova do Cabo, mas sou cristão como vós. Sinto-me um cristão convosco. Vivemos a alegria da nossa fé. Somos o Povo de Deus, somos Comunidade.”
O Padre Casimiro Mendes Serra fará parte da HISTÓRIA da Comunidade Paroquial de Aldeia de Joanes, ficará
na MEMÓRIA deste POVO.

António Alves Fernandes
Aldeia de Joanes
Setembro/2016

ALDEIA DE JOANES – UMA DESPEDIDA

ALDEIA DE JOANES – UMA DESPEDIDA

Comentários

Comentários