II- Domingo Comum

“Fazei tudo o que Ele vos disser”

 

            No relato das Bodas de Caná, o evangelista João refere-se a Maria como “a Mãe de Jesus”, “sua Mãe”, e nunca pelo nome. A importância de Maria radica na sua maternidade, nesta sua relação com Jesus. Ela desempenha um papel único neste episódio. Sem Maria, nada de extraordinário teria acontecido naquele casamento. Porém, a personagem central é Jesus. O que Ele faz, e que mais ninguém podia fazer, é que faz entrar aquele casamento no âmbito da história da salvação.  

            “Estava lá a Mãe de Jesus”. O normal é que os convidados desfrutem tranquilamente da festa, sem terem de se preocupar com nada. No entanto, em nenhuma circunstância, mesmo num casamento, Maria não esquece que, ao aceitar serva do Senhor, aceitou também ser serva dos homens. Por conseguinte, ela ali se encontra numa atitude de serviço aos outros.

            A certa altura, Maria apercebe-se que falta o vinho. Se os convidados dão conta, os pais dos noivos ficarão muito embaraçados e envergonhados. Sem comentar com ninguém, muito discretamente, Maria informa Jesus: “Não têm vinho”. Maria sabe que só Ele, e não ela, pode resolver aquele problema. E confia que Ele o fará. Essa confiança, que a resposta de Jesus não fez abalar, impele Maria a dar o segundo passo, pedindo aos serventes: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Maria sabe que só Ele pode, que Ele actuará e que Ele quer precisar da colaboração dos homens (os servos).

            “Que temos nós com isso?”. Naquele momento, Jesus parece não estar em sintonia com a mãe nem disposto a fazer o que ela sugere. Dá a entender que a falta de vinho não é um problema que lhes diga respeito. Além disso, considera que ainda não chegou a sua hora, ou seja, o momento certo de se revelar aos homens. Essa hora, porém, acaba por ser apressada pelas necessidades dos homens e pelo pedido da mãe.  

            Jesus, tão discreto como sua mãe, nada faz que possa chamar a atenção das pessoas. Limita-se a dar duas ordens aos serventes. Manda que encham as talhas de água e que sirvam o chefe de mesa. Cumpridas as ordens, os serventes devem ter ficado estupefactos, quando ouviram o chefe de mesa dizer que lhe tinham acabado de servir o melhor vinho do casamento. Os serventes sabem, têm a certeza que deitaram água nas talhas. Agora, o chefe de mesa garante que se trata de um vinho excelente. Algo de verdadeiramente extraordinário aconteceu. Para o chefe de mesa, o extraordinário, o que não é normal num casamento e que o leva a censurar os noivos é que tenham deixado o melhor vinho para o fim. Já para os serventes, o extraordinário está em que Jesus tenha mudado a água em vinho. Eles fizeram o que Jesus lhes pediu e, com o que eles fizeram, Jesus fez o que eles não podiam fazer nem sequer podiam imaginar que tal pudesse suceder.

            Quando o homem faz o que Jesus diz e dá a Jesus a oportunidade de realizar o que só Ele pode, então acontecem maravilhas. A palavra de Jesus é, inquestionavelmente, eficaz. E o homem só tem a ganhar se viver segundo o que Ele lhe diz.

            “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Maria não quer que as pessoas se fixem e parem nela. Ela aponta, conduz, leva as pessoas até Jesus. É a Ele que devem escutar. É o que Ele diz que devem fazer. Ele é que é a Palavra de Deus que se fez homem (Jo1,14). Só Ele tem palavras de vida eterna (Jo 6,68). Só Ele é o caminho que conduz o homem até Deus (Jo 14,6).

            O evangelista tem o cuidado de registar que este foi o primeiro sinal/milagre de Jesus. Surpreende-nos e faz-nos pensar que Jesus tenha dado “início aos sinais que realizou” – aqueles sinais que revelam a sua glória e levam as pessoas a acreditar n’Ele – num casamento. Não se trata, certamente, de mera coincidência. Jesus quis que acontecesse assim, para sublinhar a importância primordial do casamento e da família, desde a perspectiva e segundo o plano de Deus.

            Jesus foi convidado para o casamento. Hoje, quem é que realmente O convida e O quer no seu casamento? Quantos estão dispostos a viver o casamento e a construir a família, seguindo as propostas de Jesus? Quantos Lhe dão a oportunidade de realizar milagres em suas casas, ou seja, de iluminar as suas vidas com a palavra do Evangelho e fortalecer o seu amor conjugal com a graça dos sacramentos?

Pe. José Manuel Martins de Almeida

Comentários

Comentários