Preparação próxima da Ordenação Episcopal de D. António Luciano

 

Naqueles dias, os Apóstolos, com Maria Mãe de Jesus, permaneceram reunidos em oração, aguardando a chegada do Espírito Santo.

Também nós queremos viver esta semana, em especial atitude de acolhimento ao Espírito que vem para nos guiar e nos ajudar a viver intensamente o acontecimento de graça que é a Ordenação Episcopal de D. António Luciano para toda a nossa Diocese.

E queremos, primeiro, louvar o Senhor pelo dom maravilhoso da Vocação Sacerdotal. De facto, Jesus confiou a Missão que recebeu do Pai a toda a Sua Igreja; mas a alguns chamou-os e chama-os para estarem numa especial relação com Ele, interpretando, nos dias de hoje, o serviço do Bom Pastor à frente da Igreja e das suas comunidades.

Queremos, por isso, confiar-lhe o nosso Seminário e o nosso Pré-Seminário e também o Seminário Vocacional que ainda não temos.

Queremos rogar-lhe pela santificação dos sacerdotes que já o somos, graças ao Sacramento da Ordem e agradecer-lhe a novidade do dom do Diaconado Permanente, que Ele concede à nossa Diocese desde há 10 anos a esta parte. E pedir-lhe que nos ajude a exercer a necessária vigilância sobre formas renovadas de valorizar este Ministério na vida das nossas comunidades.

Também nos preocupam os ministérios não ordenados e outros serviços necessários à vitalidade das nossas comunidades. De facto, constitui grande responsabilidade para todos nós promover nas comunidades os ministérios e outros serviços de que elas precisam, com os três passos de chamar, formar e acompanhar todos aqueles e aquelas que, sob inspiração do Espírito, se dispõem a responder à chamada. Sobretudo desejamos tudo fazer para que todos eles, bem coordenados, vivam a comunhão entre si para depois serem promotores de comunhão nas comunidades; e sobretudo as poderem ajudar a crescer sempre na responsabilidade missionária. Usando as palavras do Papa Francisco, que sejam comunidades em saída, mais preocupadas com o serviço ao mundo do que com a sua auto-preservação.

Finalmente, queremos que na nossa oração esteja presente, de forma especial, o novo Bispo, que parte do meio de nós para servir a Igreja Diocesana de Viseu, mas também para, integrado, a partir de agora, no Colégio Episcopal, viver a corresponsabilidade com a vida da Igreja Universal.

Que estas preocupações estejam presentes em todas as nossas formas de oração, ao longo desta semana, sobretudo na celebração da Eucaristia.

E o Senhor, que é rico em generosidade, distribuirá a todos nós, particularmente ao novo Bispo, a abundância dos seus dons.

 

11-06-2018

 

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda

Comentários

Comentários