DIA MUNDIAL DA POESIA

Somos um País de Poetas e como Romeiro fui à procura de gentes jovens e adultas e recolhi alguns poemas:

Deitei o cravo ao poço/De fechado saiu aberto/Eu sempre gostei e gosto/De enganar alguém esperto. (Maria Gonçalves – Lar da Misericórdia de Alpedrinha).

Páscoa é tempo de Vida/Páscoa é tempo de cor/Páscoa é Festa vivida/ Na Primavera florida. (Ana Carolina – 4º Ano da Escola Básica de Condeixa).

Estou a dormir/ Tenho um sono bom/Acordei em Abril/Num maravilhoso Tom. (Mide Carlos – Costa Nova – Ílhavo).

Cortes venera a Senhora da Gaiola/Junto de Ti, tens muitos Romeiros/ Dá-me o Céu por Esmola/És linda, não precisas de cabeleireiros. (Fernanda Alves Espírito Santo – Cortes – Leiria).

Eu quero na minha casinha/Toda a Paz e Humildade/ Será pobre mas cheiinha/De Amor e Felicidade. São os Filhos a nossa Vida/Os Netos a nossa Esperança/Com esta certeza querida/ A Vida nunca nos cansa. (Assunção Gameiro – Minde – Alcanena).

O Moinho vestido de verde/Os pássaros fazem ninhos/Com granito na parede/Tem mós e saquinhos. (Júlio Vicente – Branca – Oliveira de Azeméis).

O sino já tocou/É a Páscoa que chegou/ É o tempo de Amar e Partilhar/De comer amêndoas e folar. (Martim – 4º Ano da Escola Básica – Condeixa-a-Nova).

Sete Senhoras bem ditas/Todas vestidas de Luz/Sete Senhoras Queridas/ Todas Mãe de Jesus. Sete Grandes Padroeiras/Das nossas terras e gentes/Cada uma em um Trono/Veneradas pelos crentes.

Nossa Senhora do Círculo/Lá no Alto Monte/Perfumada pelo vento/A olhar para o horizonte.

Nossa Senhora da Estrela/Quase vizinha e tão Pura/ A Abençoar o abismo/Olhos postos na lonjura.

A Senhora da Saúde/ Tantos pedidos tem/Na Igreja de Belide/De saúde cuidai bem.

Senhora dos Mil Milagres/ Em Cernache venerada/Não te esqueças de quem pede/De Ti está precisada.

Senhora da Piedade/ Mais longe, lá na Lousa/Visitada e festejada/ Por tanta gente cristã.

Senhora da Encarnação/ Junto ao Mar, mesmo à beirinha/Olha pelos Pescadores/De quem és Rainha.

Senhora da Confiança/ Em Pedrogão no Altar/De Capelinha Cimeira/Que o Lago quer espelhar.

Olha por nós Virgem Mãe/Por tantos Nomes Chamada/Por qualquer um és Amada.

(Professora Aposentada – Maria da Conceição Viais – Condeixa-a-Nova).

É o meu Fado/Ora a caminhar arduamente, ora a nado/Não há ninguém a poder recorrer/Só me resta correr…

Eis-me encantada/Sinto-me tentada/Tanto te quero amar e deixar o resto de lado.

Este desespero persiste/Mas olho com ternura/A chuva que ninguém assiste/Como é bela esta tortura. (Corail Claude Straobansts – Carriço – Pombal).

As árvores vivem livres/Quanto mais velhas, mais belas/A sua idade são folhas que voaram com o tempo/Vencem os dias sem fatiga e sofrimento/Cantam com o vento e enquanto abraçam o Céu/Abrigam os pássaros nos ramos/Dão Paz aos que na sua sombra sonham.

(Texto do Livro “Azenha Derrubada” de Miguel Santos – 9-10-2015 – S. Jorge de Arroios-Lisboa).

Oh! Sol que iluminas a minha vida/Tu que me dás o teu calor e a tua luz/Cada dia que passa gosto mais de ti/Estou perdida por ti de Amor e Carinho.

Tu que dás sangue ao meu Corpo, à minha Alma/Fazes brilhar tudo de bem que há em mim/Sob a tua luz não há trevas, nem dor, nem doença/Porque simplesmente tu és o Rei de toda a Terra. (Eduarda Serra – Setúbal).

Riachos é uma vila onde nasceu o Senhor Jesus dos Lavradores/Ele foi encontrado por agricultores quando escavavam terra/A barba do Senhor Jesus dos Lavradores até então cresce/ e a barba é verdadeira/ tem de ser feita de 8 em 8 dias/De 4 em 4 anos há festa, gados benzidos pelo padre/ e depois há a chegada do Senhor Jesus dos Lavradores/ as pessoas fazem promessas./ A abalada é com lenços brancos/ Também temos a procissão dos santos dentro da Igreja/percorrem as ruas dos Riachos (Patrícia Bento – Riachos)

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Março/2018

Comentários

Comentários