O Dia Mundial do Doente foi instituído no dia 11 de Março de 1992, dia litúrgico de Nossa Senhora de Lourdes, pelo Papa João Paulo II, o Papa de Nossa Senhora de Fátima, que está na glória dos Santos. Os grandes lemas de todos os dias são: reflexão, oração, partilha. Encontrar sentido para a doença e para o sofrimento.

“A dor não é uma virtude em si mesma, mas a forma como é assumida pode ser virtuosa. O limite do Homem é a dor”, palavras do Papa Francisco.

As Irmãs Hospitaleiras da Casa de Saúde Rainha Santa Isabel, em Condeixa-a-Nova, com o apoio do Gabinete da Pastoral Social, celebraram comunitariamente o XXVI – Dia Mundial do Doente, com um vasto programa.

De manhã a recepção aos familiares dos doentes. Seguiu-se a Eucaristia, com a Capela repleta de utentes, famílias, funcionários e voluntários da Casa. O Grupo Coral entoou cânticos alusivos ao doente. O Evangelho de S. Mateus anunciava a cura da Sogra de São Pedro. A seguir Jesus Cristo é confrontado por muitos processos, doentes, a todos Ele cura. Assim foi cumprida a Promessa de Isaías: “ tomou sobre Si as nossas enfermidades e suportou as nossas doenças.”

Ao ofertório, um jovem utente, empunhou uma cruz (num dos versos tinha flores, corações e pombas brancas) que ladeando as quatro partes do altar, apresentou-a aos fiéis.

O Auditório S. Bento Menni está adornado com mãos femininas, uma simbologia relativa à efeméride. Ao lado a fotografia do Fundador das Irmãs Hospitaleiras com uma frase, “UMA PESSOA VALE MAIS QUE O MUNDO INTEIRO”. A Dr.ª Barbara, responsável pela Pastoral da Saúde, falou-nos da Mensagem do Papa Francisco, sob o tema, MATER ECLESIAE – EIS O TEU FILHO…EIS A TUA MÃE. A partir daquela hora, o discípulo recebeu-a na sua casa. No final apresentou um vídeo, que permitiu uma reflexão sobre o assunto. Fechou o encontro com o item sétimo da Mensagem do Papa para este dia. “A Ela, pedimos também que nos ajude a sermos acolhedores para com os enfermos… A Igreja sabe que precisa de uma graça especial para conseguir frente ao seu Serviço Evangélico de cuidar dos doentes…A Virgem Maria interceda por este XXVI – Dia Mundial do Doente, ajude as pessoas doentes, a viverem o seu sofrimento com o Senhor Jesus, e ampare aqueles que cuidam delas. A todos, doentes, agentes de saúde e voluntários, concedo de coração a Bênção Apostólica.”

Seguiu-se um almoço partilhado no bar, entre famílias e utentes.

O Auditório foi pequeno para albergar utentes e famílias para uma tarde musical. O Conjunto Musical, do Lorvão (Coimbra), tocou e cantou (o Vocalista era invisual), canções de Zeca Afonso, Amália, Carlos do Carmo, Madalena Iglésias, António Calvário, Max, Beatles, Resistência e terminou com o “Homem do Leme” dos Xutos e Pontapés. Leme que todos precisamos a fim de remarmos nos mares das nossas vidas. Este conjunto de Musical Amador, que colabora voluntariamente nas Instituições Sociais, deveria ir já actuar nas nossas televisões, substituindo algumas telenovelas, ou programas de lixo.

Deu para darmos um pezinho de dança. Quem diz que as Irmãs não sabem dançar engana-se. Dançaram com os utentes, aqueles mais frágeis. Essa noite nenhum utente necessitou de tomar medicamentos para dormir.

Assim encerrou o Dia Mundial do Doente, nesta Casa de Saúde da Rainha Santa Isabel.

Uma palavra de agradecimento para todos os que organizaram este Dia Mundial do Doente, com muitos afectos, em especial às Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus. Bem-hajam.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Fevereiro/2018

Comentários

Comentários