Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor

Uma palavra de alento aos que andam abatidos. (cf. Is 50,4-7)

A misericórdia de Deus é uma palavra de alento,
a ecoar na história, para todos os que andam abatidos,
perdidos no mal, sem esperança de salvação.
Jesus é o discípulo perfeito, obediente de corpo inteiro,
que entra como Messias, servo e pacífico, em Jerusalém,
para ser uma palavra amiga a quem O atraiçoa,
uma palavra compreensiva e orante para quem O nega,
uma palavra silenciosa e misericordiosa para quem O condena,
uma palavra forte para quem tenta que Ele fuja da cruz.
Deixa-se matar para ser uma palavra de alento
para quem O teme, O inveja e deseja calar!
Que mistério este que alenta os abatidos, deixando-se abater!

Os noticiários concentram-se nas situações que abatem o ânimo:
guerras, troca de palavras insultuosas, violências diversas,
roubos, bestialidades juvenis, vinganças de honra, acidentes…
Estas palavras, aliadas a um ritmo de vida exaustivo,
levam ao aumento dum ambiente depressivo e negativo.
Este mundo está mesmo a precisar de uma “palavra de alento”,
de discípulos de Jesus que inquietam pela paz e bondade,
que escutam lamentos, que elevam a dignidade…
Esta semana interpela-nos a dar a vida pela salvação deste mundo! 

Senhor Jesus, louvado sejas por vires como Rei pacífico,
servo dos desalentados, misericórdia que purifica!
Dá-nos ouvidos de discípulo e olhar imitador,
para que esta semana não seja mais uma representação teatral,
mas um caminho de conversão a uma vida de consolação.
Que os ramos, que tomamos, não sejam para bater ou abater,
mas para agradecer, animar, reconciliar, louvar.
Dá-nos, Senhor, o dom de uma Semana Santa! 

Pe.José Augusto

Comentários

Comentários