Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor

Um galo cantou. O Senhor voltou-Se e fitou os olhos em Pedro. (cf. Lc 22,14-23,56)
Jesus avança sozinho para a paixão, todos o abandonaram,
mas Jesus não abandona Pedro que O nega.
Jesus volta-se para ele, reza por ele e olha-o com misericórdia!
Nas suas lágrimas, Pedro recorda a confiança do Mestre:
“Tu, uma vez convertido, fortalece os teus irmãos!”
Jesus pelo caminho vai semeando misericórdia e compaixão:
“«Basta! Deixai-os». E, tocando na orelha do homem, curou-o.”
“Não chorem por mim, chorem antes por vós e vossos filhos”,
“Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso!”
“Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem!”
Como é grande este Coração que nos convida a entrar
neste Semana Santa, nesta Semana Maior!
Normalmente em situações de emergência e perigo,
declaramos “o estado de sítio” para suspender a lei normal
e podermos usar da violência para a autodefesa!
Nessas alturas grita-se, dão-se golpes baixos,
revelam-se guerrilheiros escondidos,
fecha-se a porta ao diálogo e à hospitalidade,
endurece-se o coração e afina-se a vingança!
O que ainda temos de aprender com este Mestre,
neste Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor,
para nunca justificarmos o fecho da fonte da compaixão!
Senhor, Fonte do amor a toda a prova,
ajuda-nos a entrar por esta Porta da salvação!
Cristo, olhar que se vira para nós quando pecamos,
não para nos condenar, mas para rezar por nós
e nos oferecer a mão da misericórdia que fortalece!
Espírito Santo, fogo de amor no furacão do egoísmo,
ajuda-nos a entrar nesta semana com sandálias de conversão,
desarmados de rancor e ressentimentos antigos,
com olhar contemplativo e ouvidos de discípulo!
Pe. José Augusto

Comentários

Comentários