Mais uma vez, através de um jornal regional, tomei conhecimento, que no dia 23 de Março iria a decorrer no Fundão a celebração do “ Dia Diocesano da Juventude “. 

Cada grupo arciprestal, tinha o seu local de encontro, seguindo para a concentração no Largo do Município, que por razões climatéricas, passou à última hora, para o Pavilhão Multiusos.

Para aquele Pavilhão foram convergindo os grupos de jovens, dos diversos arciprestados diocesanos. O primeiro a chegar acompanhado com os bombos do Souto da Casa, agrupava os jovens do arciprestado do Fundão, Alpedrinha e Covilhã.

Nesta sequência, iam chegando jovens dos Arciprestados de Penamacor, Sabugal, Pinhel, Trancoso, Figueira de Castelo Rodrigo, Seia, Gouveia, Celorico da Beira e Rochoso, acompanhados com os Bombos de Alcongosta e da Fanfarra dos Escuteiros de Valverde.

Um grupo cénico da Barroca do Zêzere representou a passagem do Evangelho de S. Lucas, 8,22-25 – a Tempestade Acalmada.

Enquanto o Coro cantava “ vem anunciar a Boa Nova”, um dos responsáveis pelo evento chamava a atenção aos jovens para “ não vamos ter medo de ter fé”, enquanto a juventude se deslocava para a Igreja Matriz do Fundão, para a Celebração Eucarística, presidida pelo Pastor Diocesano.

No percurso uma colaboradora da Paróquia de Vila Franca das Naves cumprimenta-me e informa que está ali com nove jovens. Sinal, na minha opinião, que este grande grupo se deve ao seu semeador, que infelizmente por motivos de saúde, está ausente do serviço paroquial.

Com a Igreja Matriz do Fundão repleta, foi bom ouvir os cânticos com mensagem, belíssima orquestração, adaptados de salmos, por Jorge Castela e Susana Ferreira e com música de Rui Manique, Tó Zé, Célia Oliveira, que enriqueceram a Liturgia.

O Bispo da Diocese chamou a atenção às centenas de jovens presentes, para lembrar os vossos colegas que andam distraídos dos valores da fé e da esperança, numa sociedade que procura cultivar essa mesma distração.

Lembrou todos aqueles que colaboraram para concretização deste evento, a Camara Municipal do Fundão, a Santa Casa da Misericórdia, o Padre Rui Manique, os celebrantes e diáconos que estão junto de mim. Desejo lembrar os Grupos Paroquias, Arciprestais, que estão ao serviço dos jovens. Esta Igreja precisa de ar fresco e renovação.

Só há sociedade nova com pessoas novas, com fidelidade à mensagem inovadora do Evangelho. Vós tendes de abrir novas esperanças à nossa Diocese.

Ao ofertório um grupo de jovens apresentou vários cubos que colocaram em frente ao altar formando uma Barca, símbolo do Ano da Fé.

Dando cumprimento ao programa, realizou-se na parte da tarde, uma Via Sacra muito participativa, pelas ruas da cidade do Fundão, com a última estação junto ao Pavilhão Multiusos. Esta Via Sacra, foi uma grande lição de Catequese, recordando as que o Padre Ezequiel Augusto Marcos, levava a efeito com o povo da Bismula, há cerca de cinquenta anos.

No programa estavam mencionadas catorze estações, quando estava convencido que eram quinze, lembrando que a última faz memória de “ Jesus Ressuscitado, Vive na Igreja “. Será que estou enganado?

Também achei estranho que de Aldeia de Joanes, não vislumbrasse qualquer jovem quer em termos coletivos, quer individuais.

O programa foi encerrado por um concerto de aniversário da Banda Jota, no Pavilhão Multiusos, que fez delirar as centenas de jovens, o futuro da Diocese da Guarda.

Senti-me mais jovem, junto da juventude diocesana egitaniense, dinâmica, ativa e que muito se espera para uma Igreja com ar fresco e renovada. Estão de parabéns os organizadores!

 

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Março/2013

Comentários

Comentários