Vinde, ó santo Espírito,/vinde, Amor ardente,/acendei na terra/vossa luz fulgente”, foi assim que o arciprestado de Alpedrinha se reuniu no dia 9 de Junho de 2013 para invocar o Espírito Santo, para naquele momento conceder os seus sete dons aos jovens que ali confirmaram a sua fé e para que possam receber  como recompensa estes dons que dão ânimo aos cristãos, para melhor servirem a Deus e à Humanidade. Numa cerimónia presidida por Sua Excelência Reverendíssima D. Manuel da Rocha Felício – Bispo da Diocese da Guarda, e concelebrada pelos Reverendos Pe. Válter Tiago Duarte – Arcipreste, Pe. Luís Nobre, Pe. José Manuel Figueiredo, estando também presente o Diác. André Roque, em cuja celebração estiveram presente todas as paróquias do Arciprestado, nomeadamente: Paróquia Almaceda (S. Sebastião), Paróquia Alpedrinha (S. Martinho), Paróquia Atalaia do Campo (S. João Baptista), Paróquia Castelo Novo (Nª Srª da Graça), Paróquia Louriçal do Campo (S. Bento), Paróquia Ninho do Açor (S. Miguel), Paróquia Orca (S. Francisco de Assis), Paróquia Póvoa de Atalaia (Stº Estêvão), Paróquia S.Vicente da Beira (Nª Srª Assunção), Paróquia Soalheira (S. Lourenço), Paróquia Vale de Prazeres (S. Bartolomeu) e Paróquia Zebras (Nª Srª da Assunção).

Além da administração do sacramento do Crisma, a Celebração serviu também para finalizar a jornada arciprestal da fé que decorreu durante toda a semana antecedente nas paróquias deste arciprestado. A mensagem central da celebração focou a unidade inter-paroquial que tem de existir de uma forma ainda mais forte no futuro, para que o arciprestado deixe de ser um conjunto de comunidades e passe a ser a “Comunidade das Comunidades”. A fé será o elo de ligação entre todas, o amor de, e a Deus a razão primordial para que isso aconteça, de modo a que as dificuldades de uma paróquia possam ser colmatadas com as qualidades de outra, promovendo assim, a partilha e a união entre paroquianos de diversas localidades. Para que esta celebração pudesse acontecer, da forma magnífica esteticamente, e profunda espiritualmente, foi necessário o maior empenho de todos, mas de uma forma mais particular dos diversos párocos, da Câmara Municipal de Castelo Branco, da Junta de Freguesia de Louriçal do Campo, paróquia esta que acolheu a celebração, dos grupos de Escuteiros do arciprestado, dos Sapadores Florestais, do Grupo Coral formado por paroquianos de todas as paróquias ali presentes e da Sociedade Filarmónica de Louriçal do Campo que recebeu Sua Excelência Reverendíssima D. Manuel da Rocha Felício com o hino formal e típico executado a esta Entidade Religiosa.

Numa celebração que demorou aproximadamente três horas, participada por uma assembleia vastíssima, tornou-se evidente que celebrações desta importância têm de acontecer com mais frequência, derrubando assim as barreiras paroquiais e construindo por sua vez a “Comunidade das Comunidades”, enraizada na fé, com os olhos postos em Cristo e com o coração cheio do Espírito por Deus em nós derramado. 

Mário Silva

Comentários

Comentários