ENCRUZILHADA COM UM EX-EMIGRANTE

Mário é o nome do nosso Homem, ocasionalmente encontrei-me algumas vezes com ele e apercebi-me que estava perante uma pessoa com uma história longa para contar.

Nasceu nas Donas (Fundão), enquanto o pai acumulava a profissão de comerciante com a de agricultor: logo que tinha algum dinheirito dos negócios, uma parte substancial era gasta nos copos, então gabava-se para os amigos, contava-lhes tudo, não sabia que o segredo é a alma do negócio.

Também não se preocupou com a educação dos três filhos que mal frequentaram a escola primária, desde crianças que se dedicavam às tarefas agrícolas.

A mãe, com a ajuda do que produzia o campo e a capoeira, matava-lhes a fome, além de lhes prestar a atenção maternal.

O nosso Homem, que com idade mais crescida ainda viria a trabalhar na serração Rema no Fundão, carregando longos troncos de madeira, fez o trabalho mais duro da sua vida em curto espaço de tempo: andou umas semanas em Alcaria, no Rio Zêzere, em pleno Verão, a carregar pedras para cima de camionetas, para abrilhantar vivendas de gentes mais poderosas e ricas.

Fez uma peregrinação militar por Espinho, Póvoa do Varzim, Abrantes, Elvas, Tomar e Entroncamento. Aqui encontrou um sargento da Beira Baixa que o apoiou, dizendo-lhe: “os homens da Beira Baixa ajudam-se uns aos outros.” Não chegou a ser mobilizado para a Guerra do Ultramar, talvez por falta de altura…

Conseguiu frequentar as aulas regimentais e obteve em Tomar o exame da 3ª classe… Só os quarenta anos de emigração lhe darão o Curso Superior da Vida.

Logo que acabou o serviço militar, deu clandestinamente o salto para França. Demorou dez dias a chegar ao Norte daquele País. Passou o “cabo das tormentas”, principalmente em Espanha. Os castelhanos, para matar a fome ao grupo de portugueses, davam-lhe muito chocolate. Uma noite, com tanta sede (“é pior que a fome”), entrou num esconderijo de animais e mergulhou a cabeça num recipiente com um líquido desconhecido e bebeu sofregamente… “Ainda hoje não sei o que bebi, tal qual um animal, só sei que matei a sede e não tive problemas de estômago nem de rins”. Aos vinte e dois anos já estava em França, onde trabalhará durante quarenta anos na construção civil e em barragens.

Nunca gostou de estar na França, mas as circunstâncias da vida assim o obrigavam: “Trabalhei sempre com lealdade. Fui sempre sério, dei o meu melhor aos meus patrões, que sempre me respeitaram como homem e trabalhador. Se a entidade patronal não tiver lucros, não pode pagar ao pessoal, não vai roubar o dinheiro para nos entregar ao fim do mês. Por isso tinha que trabalhar bem.”

Depois de ter comido o pão que o diabo amassou, regressou às suas origens e, com as economias amealhadas, comprou um andar e uma pequena courela onde nas horas vagas se entretém.

Diz-me subitamente: “Nunca votei, nem voto nos políticos, a política não me interessa, é quase tudo farinha do mesmo saco.” No entanto, quando veio de França, sem ocupação, teve curiosidade e foi assistir às assembleias municipais no Fundão: “Sabe, dava-me gosto aquela gente a discutir os problemas do Fundão. Admirava aqueles políticos que, com sarcasmo, com um sorriso nos lábios, com uma língua bem afiada, desarmavam os seus adversários de bancada. Assisti a todas e, de tanto lá me verem, um dia o Senhor Presidente da Câmara perguntou-me se precisava de alguma coisa. Respondi-lhe amavelmente que não: venho assistir às vossas discussões políticas, que me dão um certo contentamento e me distraem.”

Não vale a pena arranjar argumentos para o convencer a votar: “não coloco papéis em nenhuma urna, esta palavra cheira-me a morte.”

Mário Salvado caminha agora com um caldeiro de cinza da lareira, que vai deitar nas favas em crescimento.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Janeiro/2019

Comentários

Comentários