Eu Vos bendirei entre as nações e cantarei a glória do vosso nome. (cf. Rom 15,4-9)

A Bíblia revela-nos um Deus paciente e consolador,
companheiro e escondido, eterno e encarnado,
legislador e misericordioso, acessível e jamais alcançável.
João Batista desperta a esperança e convida à conversão,
Maria acolhe a promessa no hoje do encontro
e deixa-se recriar pela fé e modelar pelo Espírito do Altíssimo.
É concebida pura, cheia de graça e cântico novo,
sob a batuta do Maestro Interior que a faz ser fiel e justa,
nos pequenos nadas das horas de rotina
e nos grandes tudo das relações humanas e divinas.
 
Ser concebido puro, sem pecado original,
é apenas o início maravilhoso dum sonho de Deus.
Foi assim com Adão e Eva, foi assim com Maria e Jesus,
é assim no mistério do nosso Batismo.
Mas a maravilha de Maria foi ter dado continuidade
ao sonho duma humanidade fiel e obediente,
no dia a dia peregrino, envolto pela nuvem da fé.
É a fidelidade e o seguimento à Palavra que a fecundam
e a fazem dar à luz Cristo na gruta da humildade e da esperança.
 
Senhor, Deus da paciência e da consolação,
obrigado pelo dom de mais um Advento de esperança
e um despertar para a fidelidade e a conversão da liberdade.
Dá vida nova ao nosso Batismo, a nossa imaculada conceição,
para que aprendamos com Maria a ser fieis
e a caminhar à luz da fé e do “faça-se em mim a Tua vontade”.
Maria, Estrela da esperança e Mãe que adquiriste o rosto do Filho,
intercede por cada um de nós que tateamos a fidelidade
e ensaiamos um cântico novo que tarda em bendizer o Senhor.
Pe. José Augusto Leitão

Comentários

Comentários