Fundão – O Abrigo de São José

Ninguém vai para o inferno com uma criança ao colo

Laborinho Lúcio

 

No dia 15 de Janeiro, acedi ao amável convite para estar presente no ato de posse dos novos Corpos Sociais da Casa de Socorro Familiar, Abrigo de S. José do Fundão. Foi uma cerimónia simples, repleta de significado humano e social, presidida pelo Bispo da Diocese da Guarda, com a presença dos Jovens Utentes do Abrigo, do Pároco do Fundão, do Assistente Religioso da Santa Casa da Misericórdia, da Câmara Municipal, do Conselhos Directivo da Escola Secundária e dos Magistrados do Tribunal do Fundão.

Antes do início do ato, as Jovens Acordeonistas da Academia de Música da Santa Casa da Misericórdia do Fundão proporcionaram uns belíssimos momentos musicais.

O eleito Presidente da Assembleia Geral, Pedro Ribeiro, salientou que a nova equipa vai conduzir uma das maiores obras sociais – não tutelada pelo Estado-, deste País. Numa conjuntura de grande transformação, dificuldade e novos desafios, salientou o apoio prestado pela Direção da Segurança Social, da Vereadora da Câmara Municipal do Fundão, dos benfeitores e dos funcionários.

Destacou o papel importante da Igreja e lembrou os que o antecederam nesta longa caminhada que se prepara para comemorar sessenta anos, principalmente Monsenhor Santos Carreto e Padre Ferraz.

Lançou o apelo para que todos sejam amigos e sócios desta grande obra de apoio a crianças desprotegidas.

De seguida, Alcina Cerdeira, Vereadora da Ação Social, referiu que o poder autárquico dará sempre apoio a estas instituições, em particular a esta Obra de Abrigo a crianças carenciadas.

O nomeado Presidente da Direção, César Fatela, afirmou que trabalha nesta casa há trinta anos, desde que foi convidado pelo Padre António Barreiros. A melhor resposta está espelhada no livro que escreveu (“ A Rapaziada“). Segundo ele, “vivemos e sentimos esta Instituição com alguns insucessos e desânimos, mas a longa permanência tem proporcionado enormes alegrias e momentos gratificantes, pelo que é infinitamente maior a recompensa recebida”.

Afirmou ainda que “ as razões pessoais e familiares não tiveram força bastante para se oporem ao apelo do Prelado da Diocese em continuar a presidir à Direção desta Casa.”

Durante um quadriénio o Abrigo de S. José tem nos seus quadros diretivos pessoas com “qualidades humanas profissionais técnicas e intelectuais”.

Surgiu um agradecimento especial aos Magistrados Judiciais e do Ministério Públio presentes do Tribunal de Família e Menores da Comarca do Distrito e do Fundão. Dada a problemática juvenil e às incongruências da lei, nem sempre são pacíficos os métodos e as decisões que se tomam em relação à protecção de menores.

O Presidente transmitiu a todos que esta Instituição está economicamente estável, com recursos humanos e formação tecnicamente habilitada; que está aberta e inserida na comunidade uma instituição familiar e de afetos, respeitando sempre as origens e privacidade dos rapazes.

Aos Jovens internados afirmou-lhes que “estamos convosco, porque simplesmente gostamos de Vós. São vocês e aqueles que vos antecederam ao longo de todos estes anos, que muito nos ensinaram a difícil arte dos afectos e do saber lidar e compreender crianças e jovens. Também a minha homenagem a todos Vós.”

Terminou este ciclo de posse o Bispo da Diocese, D. Manuel Felício, com dez anos de serviço e missão na Diocese da Guarda, dirigindo as primeiras palavras para os Jovens da Instituição, razão de ser desta Obra, que brotou do coração da Igreja, com marca da caridade cristã.

“A tão apregoada palavra crise acicata-nos à procura de soluções. A grave crise é a falta de apoio às nossas famílias. Aqui reside o grande problema social, a grande crise, porque não funciona a primeira escola da nossa vida – a família.”

Apelou aos Jovens presentes que, para lá do bom comportamento na instituição, devem estar atentos à sua formação pessoal. Pela primeira vez, não há presbiterado nos Órgãos Socias no Abrigo de S. José.

Neste novo mandato, formulam-se votos para que esta equipa tudo possa fazer “para que a todas as crianças não lhes falte o colo.”

 

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Janeiro/2015

(Foto: Arquivo JMJ em Rio de Janeiro)

Comentários

Comentários