Gosto da minha própria companhia.

Gosto da minha própria companhia e gosto de dividi-la com os outros nos momentos certos.

Há muitas formas de gostarmos de nós próprios. Podemos apreciar e confiar plenamente no nosso trabalho, tendo a consciência que o que fazemos está bem feito, podemos gostar do nosso físico, sentirmo-nos bem connosco e com o que vemos ao espelho, podemos gostar da nossa personalidade, achar que quando conhecemos alguém sabemos que lhe iremos agradar… Mas quando toca a estarmos sozinhos, será que conseguimos gostar assim tanto que não precisamos de mais nada?

É uma plenitude que demoramos a atingir. Gostar da nossa própria companhia, e isso nada tem a ver com o quanto nos apreciamos enquanto pessoa, enquanto profissional, ou até mesmo enquanto mulher ou homem.

Muitas vezes quando necessitamos de estar com alguém, apenas precisamos que alguém nos diga aquilo que já não temos força para ouvir de nós.

As palavras têm mais força quando vêm de fora. Temos necessidade de estarmos sempre acompanhados esperando que as pessoas à nossa volta gostem de nós. Se houver alguém que não goste, automaticamente não queremos mais estar com essa pessoa.

Temos a capacidade de preencher vazios que nós próprios criamos. O estar sozinha não tem propriamente que ser um vazio. É uma mão cheia de surpresas. Quando comecei a gostar da minha própria companhia, comecei a conhecer-me, comecei a apreciar as minhas próprias virtudes sem esperar que ninguém me viesse dizer, e só depois comecei a gostar da companhia dos outros. Verdadeiramente! Dizem que só depois de gostarmos de nós gostamos dos outros, e é verdade!

Gostar da nossa própria companhia permite-nos ouvir as coisas mais importantes, permite-nos fazer as escolhas mais acertadas e permite-nos apreciar a verdadeira felicidade. Estar sozinho é importante. Ouvir o coração. Descansá-lo para poder receber os outros nele. Beber da nossa própria felicidade. E dar a beber aos outros.

Assim a palavra solidão pode existir, mas deixa de ser negra para ter outras cores.

Suzana Santos

Comentários

Comentários