Desde 25 de Março de 1995, que, por proposta da Congregação Romana para o Clero o então Papa João Paulo II declarou a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus como dia de oração pela santificação dos sacerdotes.

O seu objectivo é ajudar os sacerdotes a configurarem-se cada vez mais com o coração de Jesus, único Bom Pastor.

Com esta iniciativa, a Igreja quer convidar todos os fiéis a manifestarem a sua estima e a fazerem oração pelos sacerdotes, que todos sentimos particularmente necessários quando se nota a sua falta, porque diminuem em número ou porque as suas forças também diminuem, pelo avanço da idade ou pela doença, sem que haja condições para serem substituídos.
Nós temos, na nossa Diocese, para um universo de paróquias que ul­tra­passa as três centenas e meia, agrupadas em 84 conjuntos, um total de 90 Párocos, incluindo alguns que o são “in solidum”.

Temos de reconhecer que os nossos padres fazem um notável esforço para servirem as comunidades que lhes estão confiadas e disso sou tes­temunha pelos contactos que, ao longo deste ano, já fiz e continuo ainda a fazer com cada um dos nossos párocos e representantes das paróquias que lhes estão confiadas. Pelo que me é dado verificar, po­díamos, é certo, fazer ainda mais e melhor, se optimizássemos a nos­sa coope­ra­ção sacerdotal, mas o volume de trabalho realizado é notável.

Temos razões para dar graças a Deus pelos nossos sacerdotes, pela sua generosa entrega à missão sacerdotal. O poder e a força da Graça de Deus são visíveis na vida e na acção dos sacerdotes que dedicadamente e generosamente muitas vezes vão além dos limites das suas forças físicas e mesmo do que socialmente é espectável.

É por este caminho de entrega generosa à causa de Deus e do Evan­ge­lho que nós sacerdotes nos santificamos. Lembramos, a esse propó­si­­to o que diz o Concílio Vaticano II: “Os presbíteros alcançam a san­ti­da­de, de maneira autêntica, pelo exercício do seu ministério, desem­­penhado sinceramente e infatigavelmente no Espírito de Cristo” (P.O., n.13).

Mas no processo da nossa santificação ardentemente desejada por Cristo, é importante a oração intensa e fervorosa dos fiéis em geral. De facto, cada um de nós sacerdotes, para além das capacidades e com­­petências que possa ter, é um dom de Deus que há-de ser agrade­cido, acompanhado e estimulado com a oração de todos.

E as vocações sacerdotais precisam sobremaneira deste empenho de todo o Povo de Deus na oração, como nos lembra exortação apostólica “Pastores Dabo Vobis” (ano de 1992) do Papa João Paulo II, ao di­zer: “A vocação sacerdotal é um dom de Deus, que constitui grande bem para quem é seu primeiro destinatário. Mas é também um dom para a Igreja inteira, um bem para a sua vida e missão. A Igreja, por­tanto, é chamada a proteger este dom, a estimulá-lo e a amá-lo; ela é responsável pelo nascimento e pela maturação das vocações sacerdo­tais” (nº 41).

Convido todos os sacerdotes a levarem ao Povo de Deus da nossa Diocese, a começar pelas comunidades que lhes estão confiadas, o apelo à oração pela nossa santificação enquanto sacerdotes. Que a próxima solenidade do Coração de Jesus seja oportunidade bem aproveitada por todas e cada uma das paróquias e comunidades da nossa Diocese para motivar a oração constante e fervorosa pelo dom do Ministério Sacerdotal à Igreja, concretamente às nossas comunidades e também pelas vocações sacerdotais.
Peçamos todos ao Senhor, nesta jornada de oração pela santificação dos sacerdotes, que faça de nós sacerdotes santos, onde se manifesta a caridade pastoral saída do coração de Cristo Bom Pastor.

Temos comunidades a pedir-nos sacerdotes para a celebração da Eu­caristia e não há possibilidade de lhes dar a resposta desejada. Te­nha­­mos bem presente nesta jornada mundial de oração pela santi­ficação dos sacerdotes que o futuro do Sacerdócio Ministerial na Igre­ja e, em particular, na nossa Diocese depende, em larga medida, da inten­sidade da nossa oração no presente. Essa é a responsabilidade e o en­cargo que Deus nos confia, esperando a nossa resposta também gene­rosa.

Convido, por isso, todos e cada um dos nossos sacerdotes para que, entre os dias 20 e 27 deste mês de Junho, Solenidade do Sagrado Co­ração de Jesus, promovam um tempo de oração, com ou sem celebração da Eu­caristia, que inclua adoração ao Santíssimo Sacra­mento, para o qual convidam as comunidades e os fiéis que lhes estão confiados. E que esta iniciativa seja tomada no espírito da Jornada Mundial de Ora­ção pela santificação dos sacerdotes.
A bênção de Deus e a intercessão de Maria Santíssima nos acompa­nhem nesta importante jornada.

Guarda, 4 de Junho de 2014

+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda

Comentários

Comentários