Lavacolhos – convívio  sportinguista

Mais um ano, o tempo a passar tão depressa, e aí está um novo encontro da família Sporting em Lavacolhos (Fundão).

Na viagem de ida, vem ao pensamento a ilustre figura do Jesuíta Joaquim Guerra, Missionário na China durante diversas décadas, intelectual, tradutor de clássicos chineses (publicou o primeiro dicionário Chinês-Português). Não foi esquecido na sua terra natal, a perpetuar a sua memória está o seu nome destacado na toponímia local.

Passamos pela “Casa do Bombo” de Lavacolhos, onde se guarda o património musical de um dos grupos do país.

Comigo está o romance “Os Betórias” de Carlo Gravito, uma obra que relata os acontecimentos e vivências sociais, rurais e humanas do princípio do século passado. Um verdadeiro guião cinematográfico que qualquer realizador poderia concretizar em filme. O Povo é o protagonista, ao não aceitar as tropelias de uma família que tudo roubava (colmeias, feijão, batatas, azeite…) com a permissividade da justiça que não atuava. A situação agravou-se quando o cabecilha matou um agricultor, vítima dos roubos. O Povo de Lavacolhos, homens e mulheres, munidas com foices, sachos, enxadas, forquilhas mataram a quadrilha de ladrões, fazendo justiça popular e rápida, sem necessidade a recursos.

Nas palavras de Laureano Heitor, Lavacolhos já vem identificado num mapa de Portugal de há quinhentos anos, conforme documento na Torre do Tombo.

Também Joaquim Russo Barroca esclareceu que a Freguesia de Lavacolhos tem o maior limite geográfico do concelho do Fundão, com as fronteiras no Barco, Silvares, Telhado e Casteleiro, motivo suficiente para nunca ser extinta como freguesia.

Em 30 de Dezembro de 2005, por iniciativa de José Manuel Gravito, Alberto Manuel Gonçalves Gama e Rui Miguel Barata Galante realizaram o primeiro encontro sportinguista no Largo do Senhor da Saúde. Mais tarde, com a inauguração do Centro de Convívio de Lavacolhos, passou a realizar-se aí. A fim de ser mais abrangente com a participação dos emigrantes, alteraram a data para o segundo sábado de Agosto.

Com nomeação de uma comissão bienal, este ano João Gravito Proença, Virgílio Proença, Luís Filipe Barroca e Joaquim Henrique Gravito, com o apoio de algumas senhoras, organizaram o décimo segundo encontro sportinguista de Lavacolhos, onde estiveram cerca de cem participantes.

Fomos ouvir alguns dos presentes e as motivações para a sua presença.

Américo Simão, “ é um almoço-convívio dos sportinguistas de Lavacolhos, onde se associam muitos emigrantes.”

Orlando Fernandes, emigrante em França, “ a minha companheira sportinguista, arrastou-me para este convívio. Não dou grande aceitação ao futebol e muito menos à politica…”

Joaquim Gonçalves, “ acho muito bem, porque é uma forma de encontrarmos pessoas que há muito não víamos.”

sar Ramos, emigrante em França que apoia crianças deficientes, “nasci num berço verde e com três anos já ia do Entroncamento com o meu avô para Lisboa, Setúbal, Évora, ver os jogos do Sporting. Levava num saco um penico para me desenrascar durante os jogos. É importante este convívio, para combater esta sociedade individualista e egoísta”

Paulo Manuel Real Barroca, “acima de tudo juntam-se neste encontro várias gerações, com a finalidade de conversar e confraternizar.”

Mabília Antunes Agulha, “nasci em Lavacolhos e aos catorze fui para França. Todos os anos aqui venho, para estar presente e conviver com os meus conterrâneos sportinguistas.”

Carlos Martins Proença, autarca em França, “ sou sportinguista e há aqui amizade, simpatia, convive-se com amigos.

José Manuel Agostinho Luís Gravito, Presidente da Junta de Freguesia “ estes encontros anuais são ótimos, porque se reúne a família sportinguista de Lavacolhos e das redondezas. Este serviço é voluntariado, com pessoas que de forma espontânea prestam estes trabalhos. Estas ações implicam, envolvem a comunidade, todos estão envolvidos e não há aqui chefes.”

No meio de casas de xisto, algumas recuperadas, cantou-se “só eu sei porque não fico em casa…” Só eu sei porque fui a Lavacolhos… Beira Baixa.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Agosto/2015

Comentários

Comentários