Alocução do pároco

Digníssimas autoridades,

Representantes de colectividades e grupos,

Irmãos e irmãs em Cristo Jesus,

 

Venho como simples servo da vinha do Senhor, também hoje neste lugar de Tamanhos, pronto para congregar, acolher, escutar, discernir, e governar.

Importa fazer memória daqueles que daqui partiram para junto de Deus, sermos próximos dos que daqui caminharam para outros lugares, conhecer os vossos valores, a vossa história de vida longa, que à semelhança dos castanheiros que aqui crescem, é história de alegrias e dores, numa comunidade maior, na qual Deus manifesta o seu amor e sua beleza, na simplicidade de uma criança, na audácia de um jovem, no trabalho de um adulto, e na sabedoria dos anciãos (e vós sois, com a vossa oração, e o conselho aos mais novos, o melhor que em Tamanhos existe).

Venho com bondade e esperança, e o desejo profundo, que todos possam ver no pároco, o rosto de “Cristo Bom Pastor”. Assim desejo ser, presença efectiva e afectiva, no seio desta comunidade, e concretamente nas vossas famílias. Permiti que bata à porta, do coração de cada um e cada uma, com delicadeza e proximidade, para partilhar o Evangelho.

Há semelhança dos castanheiros num souto, também nós necessitamos de sermos plantas e garfos saudáveis. No diálogo intimo, profundo, e aberto a Deus, a comunidade aprofunda-se. Cada um tem de procurar em Deus, quais os seus carismas ou dons, e ser criativo, para que no respeito e na vontade, os possa colocar ao serviço do bem comum, (na Igreja e sociedade) preferencialmente pelos frágeis, e sempre conduzindo à comunhão.

Manifesto a minha total disponibilidade, para que com as autoridades e instituições, aqui possamos encontrar caminhos de proximidade, alerta, e misericórdia na valorização da dignidade humana.

Agradeço a todos este acolhimento, peço o abraço das vossas mãos, a inteligência do vosso coração, o sorriso do vosso rosto, e as lágrimas dos vossos olhos, para o trabalho nesta vinha do Senhor.

Sei que não existem párocos bons ou maus, mas comunidades que rezam ou não, com o seu pastor.

Rezai para que exista compreensão na diferença e que possamos caminhar juntos. Quereis caminhar juntos?

Que Deus, por intersecção de Santo António, conceda a todos, a alegria e esperança, e saúde e a paz.

Hugo Martins – Pároco

Comentários

Comentários