Caritas: Projecto «100 Muralhas» envolve alunos do secundário na promoção do interior

A Caritas da Guarda envolveu uma centena de alunos e professores do 12.º ano no projecto ‘100 Muralhas’, visando a defesa e valorização dos recursos humanos, naturais e artísticos de Figueira de Castelo Rodrigo,

Almeida, Sabugal e Penamacor.


A iniciativa baseia-se numa pesquisa, promovida por aquela instituição católica e pelas congéneres das cidades espanholas de Ciudad Rodrigo e Salamanca, que reuniu dados de mais de 70 povoações, explicou hoje à Agência ECCLESIA o coordenador do projecto, Paulo Neves.

A investigação concluiu que o território , atingido pela “desertificação”, “envelhecimento da população” e “falta de jovens, massa crítica e oportunidades de trabalho”, é um dos “mais pobres da Europa”, referiu o professor da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica.

A vertente “mais importante” do estudo consistiu na identificação de “boas práticas que têm sucesso nacional e internacional” e no reconhecimento de recursos “a nível natural, arquitectónico, histórico e gastronómico”, indicou o responsável, que actualmente está em destacamento na Caritas da Guarda.

Ao longo deste ano escolar, os estudantes da disciplina ‘Área Projecto’ devem elaborar e apresentar trabalhos sobre essas potencialidades, contribuindo para dar a conhecer uma região, integrada nos distritos da Guarda e Castelo Branco que, segundo Paulo Neves, “está por descobrir”.

A designação ‘100 Muralhas’ alude às cerca de 25 pessoas que em cada uma das quatro turmas defendem os interesses da região, e, simultaneamente, designa a eliminação das barreiras que em tempos impediram as invasões estrangeiras mas que hoje representam políticas que “fazem esquecer cada vez mais o interior”.

O responsável quer também que os estudantes se tornem “embaixadores” da região, dado que parte deles vai prosseguir os estudos em universidades que só existem noutros pontos do país.

“Com o conhecimento das zonas onde habitam, queremos que sejam capazes de levar as potencialidades do seu território para onde quer que vão”, indica.

O projecto pretende igualmente estimular o “orgulho raiano”, já que “por vezes respira-se pouca auto-estima”, assinala Paulo Neves, realçando que a iniciativa, ao apostar na “promoção do território e das pessoas”, contribui “para veicular valores cristãos”.

Os quatro agrupamentos de escolas deram autonomia aos alunos para escolherem as cerca de duas dezenas de temas, entre os quais se incluem ‘A importância da cultura da vinha na Vila de Almendra’, ‘Tendências sociais emergentes em Figueira de Castelo Rodrigo’, ‘Inteligência Emocional’, ‘Tradições e costumes da Raia’, ‘Plantas medicinais’, ‘Jogos tradicionais’ e ‘Capeia Arraiana”.

Os trabalhos vão ser apresentados em Maio nos quatro concelhos, próximos da fronteira espanhola, mediante palestras, exposições multimédia e roteiros, enquanto que o “grande momento final”, nas palavras de Paulo Neves, está reservado para 28 daquele mês, em Vilar Formoso.

O responsável espera para esse encontro a presença de representantes de entidades públicas e particulares, incluindo os governadores civis de Guarda e Castelo Branco e os presidentes das autarquias.

RM

Comentários

Comentários