RECORDAR O MEU SAUDOSO PAI

Dia 19 de Março de cada ano é, de uma forma muito especial, dedicado aos nossos Pais.

Hoje lembro-me de ti, meu saudoso Pai. Na tua cédula pessoal foste registado José Maria Fernandes Monteiro e, mais tarde, não gostando do apelido “Monteiro”, escolheste ser Fernandes.

O teu primeiro nome tem origem na versão hebraica Yosef, e do latim losephus, significa aquele que acrescenta. No meio do teu nome tens a palavra Maria, a nossa Mãe. Tiveste sempre duas Marias ao teu lado, a Maria da Piedade Alves Lavajo Martinho; e a outra, mais antiga, a Mãe do Redentor.

Nasceste na Bismula, nos tempos régios de D. Carlos: viste cair a Monarquia, nascer e cair a 1ª República, nascer e cair o Estado Novo, nascer a Democracia.  

Fizeste os exames primários em Vilar Maior (Sabugal). Tinhas uma caligrafia invejável, que nenhum filho herdou, apenas o teu sobrinho que tem o teu nome.

Foste pastor e fazias lindos brinquedos de madeira, versos e pinturas à tua conterrânea Célia Martins Salgueira, que dedicou uma vida nas Irmãs Hospitaleiras de S. Bento Menni, em França, apoiando feridos e soldados fragilizados.

Partiste para o País Basco e encontraste um regime monárquico dirigido pelo Rei Afonso XIII. Antes de chegar a Guerra Civil a Espanha, regressaste a Portugal. Quando ter Fé passou a ser delito, por pouco não foste vítima dos republicanos, que mataram muitos dos teus companheiros e incendiaram tantos templos.

Na década de quarenta do século passado, foste empregado de escritório numa empresa alfacinha. Eras dotado de uma grande cultura e religiosidade.

Em 1944 regressaste à Bismula, a fim de abraçares a tua Mãe, o teu coração falou mais alto, foi um erro que celebro.

Na Bismula foste agricultor, professor, tesoureiro e secretário da Irmandade de S. Sebastião, colaborador do Padre Ezequiel Marcos e do teu Irmão António Fernandes na regedoria, ensaiador e actor de Teatro. Eras admirado pela maioria dos teus conterrâneos. Como tinhas muito valor, havia alguns que não gostavam, prova de que eras um Homem vertical e não dobravas a espinha dorsal.

Choraste quando viste a tua filhinha e minha irmã, Maria dos Anjos Fernandes, amortalhada num bercinho branco da cozinha, parecia um anjo da corte celeste. Ainda hoje me vem à memória essa cena. Percorremos juntos a Cerdeira do Côa, Alfaiates… mas não conseguimos salvá-la.

Um dia verificaste que ali não havia futuro, nem para ti, nem para os teus oito filhos, e emigraste para Setúbal.

Adaptaste-te rapidamente à vida citadina, ao contrário da nossa Mãe… Durante um ano, em regime de substituição, desempenhaste as funções de sacristão na Igreja de Santa Maria da Graça, hoje a Catedral da Diocese de Setúbal.

Estiveste desempregado vários meses, foi um drama familiar. Voltaste a pegar na enxada e foste trabalhar para a Quinta da Várzea, propriedade da Junta de Colonização Interna, na Estrada dos Ciprestes, em Setúbal.

Passados uns meses, estavas na Socel, na Mitrena – Zona Industrial de Setúbal -, onde durante muitos anos foste operário, o operário mais velho que se reformou desse empresa do fabrico de papel. Ali foste sempre respeitado e admirado.

A vida é um romance de eternidades que duram instantes ou de instantes que duram eternidades.

Obrigado, meu saudoso Pai, por me teres ensinado a resistir quando temos os pés na lama, por me teres ensinado a ouvir os rouxinóis ou a comparar o cantar preguiçoso das cigarras aos carreiros de trabalho das formigas.

Cumpriste a tua nobre missão para comigo e de ti recebi uma Herança Moral que me acompanhará até ao fim. Eternamente grato, o teu filho.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

19 de Março/2018

Comentários

Comentários