SETÚBAL – RECORDAR O PADRE ÁLVARO DE MAGALHÃES TEIXEIRA

A notícia caiu na minha secretária de trabalho, já a noite ia adiantada. O mail era sintético: faleceu o Padre Álvaro Teixeira, no Hospital de S. Bernardo em Setúbal.
Há cerca de noventa anos que os Missionários Claretianos estão em Setúbal. Em 1926 adquirem num processo muito difícil, a Quinta das Palmeiras, formada por um quadrado com treze hectares (abrangia o atual espaço do Estádio do Bonfim e Liceu) e disponha de uma ampla residência. Aquela Quinta inicialmente foi um laranjal, mais tarde proprietários franceses plantaram milhares de palmeiras, cujos produtos eram exportados para França e Países Nórdicos. Com este espaço agrícola, os Missionários do Coração de Maria desenvolveram diversas atividades agropecuárias.
Em Setúbal tinham a seu cargo a Paróquia de Santa Maria da Graça, de S. Sebastião, a Igreja dos Grilos, Capela do Senhor do Bonfim e a Assistência Religiosa aos Reclusos do Estabelecimento Prisional de Setúbal. Nos anos 1951-!953, foram chamados para a Paroquia de Nossa Senhora da Anunciação, Anunciada com a tarefa de pacificar as pessoas desavindas com a saída do sacerdote diocesano
Em 1997 conheci este missionário em Setúbal onde desempenhava a sua missão pastoral, como Pároco de S. Sebastião, Paroquia a que os meus saudosos pais e alguns familiares estavam agregados.
Tínhamos paixões futebolistas idênticas, o Padre Teixeira do Penafiel, eu do Vitória de Setúbal, o que motivou a nossa primeira conversa, que muitas outras tiveram continuidade, alguns encontros, abrangendo diversas outros assuntos.
Nasceu em Abril de 1941, na freguesia de S. Martinho em Penafiel, e no seguimento dos exames escolares, passou pelos Seminários do Porto, dos Carvalhos, de Fátima e Salamanca. Foi ordenado sacerdote em Junho de 1967.
Em Setembro desse ano, seguiu em missão para S. Tomé e Príncipe, desempenhando funções como Capelão do Hospital Central, Professor de Religião e Moral no liceu, fundador das Conferências Vicentinas Juvenis, colaborador em programas radiofónicos de cariz religioso e desportivo, entre outros temas.
Ao fim de dois anos regressou a Portugal, e foi a colaborar com o Capelão do Hospital de Santa Maria em Lisboa, formador do Seminário do Cacém, ligado aos Claretianos.
Seguiu para Roma, onde esteve dois anos, licenciando-se em teologia pastoral com pós-graduação em pedagogia pastoral.
Em 1977 iniciou nova etapa em Setúbal, com o cargo de superior local. Com as indicações do Bispo D. Manuel Martins, organizou os serviços da nova Diocese, sendo responsável pelos secretariados diocesanos de catequese, assistente dos Cursos de Cristandade e professor de teologia na Universidade Católica. É fundador da Associação de Professores Católicos.
No Colégio Universitário Pio XII em Lisboa foi assistente religioso dos estudantes universitários.
Em 1986 foi nomeado Pároco de S. Sebastião em Setúbal, uma das paróquias mais populacionais do país. Ali o Padre Teixeira manifestou grande entusiasmo pela história, pelos costumes, pelas tradições, pela Festa de Nossa Senhora da Troia, pelas vivências do povo, principalmente ligado à faina do mar. Publicava semanalmente uma Folha Paroquial e tinha na Rádio Azul um programa religioso.
Foi destacado para a Zona Pastoral Experimental do Coração de Maria, onde estava inserido o Bairro da Azeda de Cima, das periferias da cidade de Setúbal, onde os meus saudosos pais residiam e de uma forma ativa colaboravam: o meu pai ministro da comunhão, a minha mãe catequista.
Em 1997 partiu para Lubango em Angola onde foi orientador da Paroquia da Imaculada Conceição, com uma área de 800km2, vigário da Comunidade, delegado arquidiocesano para a comunicação social, diretor do Boletim Vozes de Lubango e orientador de um programa radiofónico de caráter religioso. Ministrou aulas de língua portuguesa a catequistas na Missão de Huíla e às alunas de uma Comunidade Religiosa.
Em Junho de 2013 regressou de novo a Setúbal, pois tinha esta cidade no coração. Neste percurso pastoral setubalense, o Padre Teixeira teve uma especial predileção pela Diocese que a viu nascer, acompanhando o seu desenvolvimento e progressos. Não há dúvidas de que amou a Igreja e semeou muitos afetos (nunca esquecerei que nos contatos com as nossas mães, as tratava com as palavras “oh minhas santas!). Qual era o filho que não gostaria de ouvir esta frase?
A outra grande vertente apostólica foi o Escutismo, e a este propósito escreveu “A JUVENTUDE TUDO MERECE DE BOM!”.
O Padre Teixeira dizia: “ando há quarenta e um anos com o lenço ao pescoço” com funções em seis agrupamentos e três associações escutistas.
Foi co-fundador do Agrupamento 46 do CNE de Agualva – Cacém (Sintra.)
Esteve em Roma com a AGESCI (Associação de Guias e Escuteiros Católicos Italianos), na Paróquia de Santa Maria Alle Fornaci.
Colaborou com o Agrupamento 541 do CNE, junto do Colégio Universitário Pio XII, participando em reuniões da Junta Regional de Lisboa, em que o então Assistente Regional da Capital é o atual Cardeal Patriarca de Lisboa.
Foi Assistente do Agrupamento 59 do CNE de Setúbal, o mais antigo da Região e cofundador do Agrupamento 1117 do CNE, dos Escuteiros Marítimos.
Colaborador da fundação da Associação dos Escuteiros de Angola, a fim de dar continuidade ao serviço do CNE, extinto com a independência.
Assistente do Agrupamento da Paroquia da Imaculada Conceição e Assistente Regional do Lubango.
Deslocação à Africa do Sul a pedido da Junta Central do CNE, representando-a em Mafeking, analisando assuntos internacionais da Associação.
No campo jornalístico, além de diretor do Jornal “Vozes de Lubango”, conta com programas radiofónicos e durante muitos anos uma crónica semanal no Trisemanário “O Setubalense”, a última publicada, já internado no Hospital, sob o título “A LUZ DA VERDADE – FESTA DE NOSSA SENHORA DA TROIA – FONTES HISTÓRICAS”. Um texto com leitura obrigatória, com uma recolha histórica, de uma festa que remonta aos tempos de D. João II, com referência documentais dos anos 1482, 1502, 1707, 1758, 1853 1898, 1901, 1902, 1929, 1945 e 1947. Esta é ainda a grande Festa dos Pescadores da cidade de Setúbal, que inclui uma procissão marítima.
É necessário que estes HOMENS, que dedicaram uma vida ao serviço dos outros, da valorização humana, social e da fé, não fiquem nos caminhos do esquecimento.
Este HOMEM, missionário, professor, dinamizador, jornalista, escritor, escuteiro, teve meio século de dedicação e missão ao serviço da Igreja e ao serviço da Sociedade.
Neste Ano Jubilar, o Padre Álvaro de Magalhães Teixeira, Missionário do Coração de Maria, soube por experiência própria que “ o Evangelho do perdão e da misericórdia pode levar alegria e reconciliação, justiça e paz.”
D. José Ornelas Carvalho SCJ, Bispo de Setúbal, também Missionário, na Eucaristia da Vigília Exequial, numa homília muito significativa, salientou as qualidades, os caminhos de dedicação, missão e ação evangelizadora do Padre Álvaro Teixeira, terminou com este texto de gratidão:
“ Obrigado, caro Pe. Álvaro Teixeira, pelo muito que nos deste e que nós conservamos.
Obrigado pela vida que Deus te concedeu e por teres escutado o seu chamamento e teres colocado ao serviço do seu Reino.
Obrigado por teres deixado a tua família e a tua terra e teres tomado o caminho dos mais distantes de outras terras e culturas, ao serviço do Evangelho.
Obrigado pelo dom que foste para esta terra e esta Igreja de Setúbal.
Obrigado pelas palavras que anunciaste, pelas feridas que curastes, pela reconciliação que atuaste, pelas bênçãos que multiplicaste.
Obrigado por seres sido para nós bênção amiga e misericordiosa de Deus.
Que Ele te receba nos seus braços, como Bom Pastor que tu seguiste e te mostre para sempre o Seu Rosto Carinhoso, na plenitude da vida que não acaba.
Na tarde do dia 11 de Outubro desceu à terra, no Cemitério de Nossa Senhora da Piedade, no coração da cidade de Setúbal, e bem junto da Igreja da Paróquia de S. Sebastião e da Residência da Comunidade dos Missionários do Coração de Maria.
Este texto representa um pequeno exercício de memória e como escreveu Fernando Pessoa, “ a memória é a consciência inserida no tempo.”

António Alves Fernandes
Aldeia de Joanes
Outubro/2016

priest

Comentários

Comentários