Sucessor de São Pedro

Papa Francisco

 

Nascido em Buenos Aires, em 17 de Dezembro de 1936, Papa Francisco é o número 266! É o primeiro papa nascido no continente americano, o primeiro pontífice não europeu e também o primeiro papa jesuíta da história!

O cardeal Bergoglio foi eleito perante os nossos olhos em 13 de Março de 2013, escolhendo o nome de Francisco. Quando lhe foi perguntado, na Capela Sistina, se aceitava a escolha, disse: “Eu sou um grande pecador, confiando na misericórdia e paciência de Deus, no sofrimento, aceito”.

O Papa Francisco apareceu ao povo na varanda central da Basílica de São Pedro, vestindo apenas a batina papal branca, acompanhou a execução da Marcha Pontifical e saudou a multidão…

Papa Francisco veio revolucionar a mentalidade cristã…

Um dos temas abordados pelo nosso papa é o desperdício de comida e a fome no mundo… algo que me perturba e que questiono várias vezes: como é possível umas pessoas terem tanto e outros nada…?

Ora, durante uma audiência semanal na Praça de São Pedro, Papa Francisco criticou directamente todos aqueles que desperdiçam alimentos e que dessa forma estão a contribuir para a desigualdade no mundo!

Ele disse: “Deus confiou ao homem e à mulher o cultivo e o cuidado da Terra, para que todos pudessem morar nela, mas o egoísmo e a cultura do desperdício levaram ao descarte das pessoas mais fracas e necessitadas. Mais ainda, em muitas partes do mundo, apesar da fome e da desnutrição existentes, muitos alimentos são desperdiçados.”

Referiu ainda que a comida que é deitada fora é como que roubada dos que não podem tê-la, é como tirar da mesa dos pobres, e dar mais atenção que à vida humana indefesa é indignante.

“Os alimentos jogados no lixo são alimentos roubados da mesa do pobre, de que tem fome. A ecologia humana e a ecologia ambiental são inseparáveis, (…) vemos agora a crise no meio ambiente, mas a vemos, sobretudo, no homem. A pessoa humana está hoje em perigo! (…) Na cultura do desperdício, se morrem homens e crianças não é notícia; mas se a bolsa cai é uma tragédia. (…) Acaba-se por descartar as pessoas. Deixa-se de respeitar a vida, sobretudo se é pobre ou incapacitada, ou se ainda não é útil, como a criança que vai nascer, ou se não serve mais, como o idoso.”

Logo, como bom Homem que o Papa Francisco é falou ainda sobre possíveis soluções para o problema da fome, dizendo:

“Sabe-se que a produção é suficiente e mesmo assim existem milhões de pessoas que sofrem e morrem de fome: isto constitui um verdadeiro escândalo. É necessário encontrar modos para que todos possam beneficiar dos frutos da terra, não só para evitar que aumente o abismo entre quem mais tem e quem deve se contentar com as migalhas, mas sobretudo por uma exigência de justiça e de equidade e de respeito por cada ser humano.”

“Algo mais pode e deve ser feito a fim de fornecer um novo estímulo à actividade International em nome dos pobres, inspirado por algo mais do que mera boa vontade ou, ainda pior, as promessas que muitas vezes não têm sido mantidas. Nem pode a actual crise global continuas a ser usada como um álibi”

A questão que coloco não tem a ver com as palavras pronunciadas pelo nosso Papa Francisco, mas sim com a mentalidade da nossa sociedade. Será que a nossa sociedade só se lembra que existem pessoas come fome no tempo de natal, páscoa e afins? Já sabemos que os “ricos ficam cada vez mais ricos” e os “pobres ficam cada vez mais pobres”… mas a fome é diária! E todos nós podemos contribuir para a diminuição da fome no mundo. Em vez de contribuirmos uma ou duas vezes por ano, porque não contribuir todos os dias, semanas e meses? O que me custa a mim ou a ti, dar um pacote de arroz, ou um enlatado qualquer? Não custa nada. Existem várias associações de Norte a Sul de Portugal que aceitam este tipo de donativo… e se nós podemos tentar “matar” a fome a alguém… a um ser igual a nós… então que assim seja.

Pensem nisso! Pensem no Papa Francisco! Pensem em vocês próprios e como cada um de nós pode contribuir para um mundo melhor!

Cristina Rodrigues

Comentários

Comentários