UM POUCO DA HISTÓRIA DO ESCUTISMO NO FUNDÃO

O Escutismo Católico no Fundão começou a dar os primeiros passos em 31 de março de 1929, há noventa anos, com a fundação do Grupo nº 51, no Seminário do Fundão, por Rui Brás Pinto e o Padre Gustavo de Almeida e António Peixoto Barata. Mais tarde nasceu o Grupo 59, já com a Alcateia, que vá lá saber-se porque razão acabou por ser extinta.

Em 31 de Maio de 1931, foi fundado o Grupo Sénior Adolfo Portela nº 11, como Chefe António Peixoto Barata, Director Padre José Paula Fino e Chefe de Administração Luís dos Santos Moreira.

Só em 28 de fevereiro de 1959 é que foi criado o actual Agrupamento 120, pelas mãos de José António Silva Santos Marques, como responsável pelo Agrupamento, Assistente Padre Francisco Bento, Assistente Adjunto Padre Joaquim Mendes Serra, Secretário Manuel Geraldes Marques e a Chefe da Alcateia Maria Henriqueta Emídia. O patrono escolhido foi S. Jorge, patrono do escutismo católico ao nível mundial.

Durante muitos anos o escutismo esteve sem actividade no Fundão, e na opinião do Padre Ardérius esta longa paragem merece uma investigação histórica.

Durante estes sessenta anos, uma plêiade de dirigentes, prestaram um serviço de voluntariado dando o seu melhor, como Chefes de Agrupamento, nomeadamente José António Silva Santos Marques, Carlos Guilherme Lopes, António Duarte Pereira Rocha, José Prazeres Joaquim, Padre António Bernardo do Nascimento Barreiros, José Antunes Cerdeira, José Manuel Alves dos Santos e Carlos Alberto Brito Martins. Ao nível dos Assistentes Religiosos relembram-se o Padre Francisco Bento, Padre Manuel Soares de Oliveira, Padre Manuel Joaquim Martins, Padre António Bernardo do Nascimento Barreiros e presentemente em funções, o Padre Jorge Manuel Tavares Colaço.

E neste contexto histórico, decorreu no passado dia 2 de março a celebração dos sessenta anos de vida deste Agrupamento do Corpo Nacional de Escutas (CNE), no Campo Escutista da Gardunha, localizado na cidade do Fundão, tendo uma área de cerca de 2 hectares, e usufruindo de óptimas condições para práticas escutistas como pioneirismo e contacto com a natureza.

Por esse motivo, a actual Junta Central do CNE atribuiu-lhe a classificação de “Centro Escutista de Excelência”, reconhecendo-se um trabalho colectivo de muitos escuteiros, tanto do CNE como da Fraternidade, bem como do próprio Município, que patrocinou diversas infraestruturas, de há vários anos a esta parte, concretamente desde o ACAREG nº 20, realizado no período de 2 a 7 de agosto de 2014.

Ninguém duvida que este espaço ao serviço dos escuteiros nacionais e estrangeiros e também da própria comunidade, dispõe de infraestruturas e logística, sendo capaz albergar cerca de quinhentos escuteiros e dirigentes ou fraternos.

Tal como referido, este empreendimento só foi possível com o esforço de muitos Escuteiros de diversos agrupamentos, de duas Juntas Regionais, de alguns fraternos, Comissões de Pais, bem como gente e empresas anónimas que não deixaram de colaborar com a sua amizade pelo Movimento Escutista na região da Guarda e, concretamente, no Fundão.

E o trabalho continua para a melhoria daquele espaço natural muito acolhedor, com novos projectos ajustados aos tempos, e elogiado por muitos nas diversas componentes, principalmente no sector pedagógico e ambiental, em face de estar estrategicamente implantado, nomeadamente com a proximidade da Estação de Caminhos-de-Ferro do Fundão.

Nestas celebrações, num vasto programa cultural e religioso, onde se incluiu um vídeo do Agrupamento 120, e uma histórica palestra do Padre Virgílio Mendes Ardérius, sobre a Fundação do Escutismo a nível Nacional, na Diocese da Guarda e também no Fundão, na presença do Bispo da Diocese, do Chefe Nacional do CNE, da Chefe Regional da Guarda, de outros ilustres escuteiros convidados, como a Fraternidade Nuno Alvares, bem como do Presidente da Câmara Municipal do Fundão e da Vereadora da Cultura, da Junta de Freguesia, bem como outras entidades.

Há que realçar a deslocação do antigo Chefe de Agrupamento, Carlos Guilherme Lopes, residente em Almada, fundador do Agrupamento do Pragal e Fraterno da Junta Regional de Setúbal, que pela forma como efusivamente foi saudado deixou muitas saudades no Escutismo do Fundão.

Durante a Eucaristia, decorreu a cerimónia sempre repleta de significado das promessas e investiduras de diversos lobitos e exploradores, sinal que a vida continua neste agrupamento.

Durante estes anos muitas centenas e centenas de jovens beneficiaram do método educativo desenvolvido por Baden Powell, o sistema de patrulha, em benefício dos jovens escuteiros e da própria sociedade.

A mensagem do Papa Francisco para a Quaresma de 2019 também vai ao encontro da mensagem escutista com um “apelo à conversão na relação da humanidade com a natureza, levando a estilos de vida mais solidários e ecológicos.”

Actualmente o Agrupamento 120 do Fundão conta com a colaboração dos dirigentes Carlos Alberto, José Cerdeira, Patrícia Martins, Augusto Gil, David Fonseca, Célia Fernandes, José Rafael, Carlos Monteiro e Catarina Fernandes, que dão o melhor de si em prol do bem-estar e da formação dos jovens escuteiros.

Num almoço partilhado, e com o cântico dos parabéns ao Agrupamento 120 do CNE do Fundão, deseja-se-lhe longa vida e que o Livro de Honra, apresentado nesta data, seja preenchido com muitas páginas escritas com mensagens positivas e de amor fraterno.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Março/2019

Comentários

Comentários