XIX – Domingo Comum

 
Tens um longo caminho a percorrer.

Perseguido e ameaçado de morte, aparentemente abandonado por Deus e fracassado na sua missão, só e cansado, considerando insuportável e inútil a sua vida, o profeta Elias pede a Deus a morte: “Já basta, Senhor. Tirai-me a vida…”
Deus, porque é o Deus da vida, não atende o pedido do profeta. Deus, porque tem um projecto de vida para cada homem, não atende o pedido de quem lhe suplica a morte. De resto, Deus bem sabe que quem pede a morte não é a morte que efectivamente quer. O que realmente deseja é libertar-se do sofrimento e da angústia em que vive. Por isso mesmo, Deus coloca-se sempre do lado da vida e intervém sempre em seu favor.

No caso de Elias, o profeta pede a Deus que lhe tire a vida e Deus, por sua vez, proporciona-lhe pão e água, para que possa restabelecer as forças e retomar o alento. No entanto, comido o pão e bebida a água, o profeta volta a deitar-se. O alimento, só por si, embora necessário, não é suficiente para o homem recuperar a vontade de viver e de prosseguir o seu caminho.
Então, Deus intervém de novo para lhe dizer: “tens um longo caminho a percorrer”. Ainda não terminou a tua missão. Não desistas de viver, porque a tua vida ainda é necessária e útil. Eu continuo a confiar em ti e a precisar de ti. Quero e peço-te que leves a tua missão até ao fim. Levanta-te e caminha.

Deus dá-lhe o alimento e a bebida não apenas para que não morra, mas sobretudo para que possa prosseguir a sua viagem, continuar a sua missão, chegar à meta. Deus intervém e ajuda não para que o homem continue a dormir ou sobreviva no seu desânimo e no seu fracasso. Deus actua para que o homem recupere o ânimo e o gosto de viver; para que, olhando de novo em frente e vislumbrando a meta, sinta força e coragem para percorrer o caminho que ainda falta. Deus não ajuda para que o homem volte para trás. Pelo contrário, ajuda para que o homem avance, volte a acreditar no futuro, tome consciência de que ainda tem muito para dar e para fazer.

O profeta, fortalecido com aquele alimento e, mais ainda, animado com as palavras de Deus, empreende o caminho do monte Horeb. Aí tem uma experiência extraordinária de Deus, que se lhe manifesta numa brisa suave. Agora, certo de que Deus está com Ele, Elias retoma a sua missão no meio do povo de Israel.

Este episódio mostra-nos e prova-nos que nunca há motivos bastantes para desistir de viver, de lutar, de caminhar em frente. Muito menos há motivos sérios para o homem desconfiar de Deus. Deus, embora possa pôr o homem à prova, jamais o abandona no seu sofrimento e na sua solidão.

 
Tens um longo caminho a percorrer.

Também hoje, são muitos os que perdem o gosto pela vida e pedem a Deus a morte. Na origem destes sentimentos e atitudes face à vida podem estar problemas insolúveis, sofrimentos insuportáveis, situações particularmente dramáticas. E tudo isto se torna mais difícil, quando o homem tem de enfrentar sozinho essa realidade ou sem os horizontes da fé.

Nesses momentos de dor, de desânimo e desespero, por vezes demasiado longos e intensos, como é bom ter alguém junto de si e do seu lado que possa escutar as mágoas e os desabafos, dar uma palavra de conforto e partilhar os seus afectos! Como uma presença amiga pode ajudar a aliviar o sofrimento, a redescobrir o valor da vida e a sentir de novo a vontade de viver! Mais importante e eficaz é ainda a luz e a força da fé em Jesus Cristo. Jesus, ao dar a sua vida para salvar a nossa, mostra até que ponto é valiosa a vida, como ela é preciosa aos olhos de Deus e, consequentemente, como nós a devemos apreciar e respeitar. Vivendo e vencendo o sofrimento com amor e numa atitude de doação a Deus, Jesus ensina-nos que o amor suaviza a dor e que a luz da vida é superior às trevas do sofrimento!

A Elias, Deus deu um pão e um copo de água. A nós, Deus dá-nos o seu próprio Filho – o Pão vivo que desceu do Céu. Jesus é o alimento que garante a vida eterna a todos aqueles que O comem, ou seja, a todos quantos escutam a sua palavra, acreditam n’Ele, O acolhem na sua vida e se deixam transformar por Ele. Ele deu a sua vida por nós e oferece-se a nós como alimento de vida eterna, para que ninguém desista de viver. Com Ele, somos capazes de percorrer o caminho, vencer os obstáculos, realizar a nossa missão, chegar à meta, ao Monte Horeb, à Pátria da liberdade, à plenitude da vida e do amor de Deus.

Pe. José Manuel Martins de Almeida

Comentários

Comentários