“MOMENTOS DE FÉRIAS” – SEGUNDA PARTE

É por acaso que nos encontramos no Jardim das Amoreiras, perto do Largo do Rato em Lisboa. Ele senta-se na minha mesa e rapidamente nos descobrimos amigos de longa data, oriundos de freguesias e vivências vizinhas, nascidos quase em simultâneo.

Conversamos animadamente e o tempo voa.

– Onde vamos agora?

– Gostava de ir ao Cristo Rei, visitei-o alguns dias depois da Inauguração e nunca mais lá voltei. Cruzo-me muitas vezes com ele, mas não lhe passo dos calcanhares.

– Ó Homem, vamos já ao alto do Cristo Rei. Mas… e as suas vertigens?

– Só acontecem em Terra, perto do Céu isso passa.  

Rimo-nos e seguimos viagem na direcção do Cristo Redentor, enraizado em Almada, curiosamente uma cidade de domínio árabe onde se procurava ouro. Talvez o ouro fosse apenas a incomparável vista da beleza.

Atravessamos a majestosa Ponte sobre o Tejo, que por enquanto ainda não caiu e já tem mais de 50 anos, e chegamos ao destino. Com tranquilidade percorremos alguns caminhos a pé, vemos um antigo casario, dezenas de indústrias em ruínas e várias pessoas ao abandono que se gastaram na Lisnave, na Cuf e em tantas grandes empresas que um dia serviram para pôr pão na mesa. Recebiam o seu salário em dinheirinho vivo (não havia cá transferências bancárias) e até amanhã se Deus quiser. Sabemos hoje como esta gente foi explorada por homens sem escrúpulos que ocuparam cargos de chefia e se encontram altamente condecorados e a gozar sem vergonha a choruda reforma. Olhando para esta margem sul, marginal em todos os sentidos e continuamente devotada ao esquecimento, recordo o que o Marquês de Pombal disse apontando para Almada: “Ali está o cu de Lisboa, os barcos suspeitos devem lá atracar para não chegarem ao coração de Lisboa”.

Chegamos aos pés do Cristo Rei, está um calor infernal e se cheira a suor culpamos mais a extensa fileira de turistas do que os pés do Redentor. Para diminuir o nível de ansiedade enquanto esperamos, a Câmara de Almada põe-nos a ouvir música gregoriana com 40 graus à sombra de Cristo, uma experiência quase mística que exige uma Fé inabalável.

Avistamos as bilheteiras com um aviso engraçado: “Cristo Rei aceita multibanco”. Será que também Cristo passou a ter conta no Novo Banco e que ficará rico com tantos chineses à porta?

Chegamos à porta do Bom Pastor e lemos “EU SOU A PORTA”. Um português dispara logo a rir: “Eu sou o Portas”. O Pastor parece oferecer-nos uma ovelha, o que perto da hora do almoço é uma tentação só refreada pela ilustração lateral dos Dez Mandamentos.

Continuamos a visita, trocando impressões sobre a história deste monumento. Dizem que o Cardeal Cerejeira, Patriarca de Lisboa, visitou o Rio de Janeiro em 1934 e ficou muito impressionado com o Cristo Redentor do Corcovado – “temos que ter um igual!” -, convencendo todo o episcopado português da importância desta Obra Pública.   

Com o início da Segunda Guerra Mundial, os Bispos reuniram-se e decidiram: “se Portugal não entrar nesta carnificina, o Santuário será construído”. Assim aconteceu.

Em Dezembro de 1949 lançaram-se as primeiras pedras com o apoio de uma grande campanha nacional. A obra foi custeada pela população portuguesa e por todas as dioceses de Portugal e do Ultramar, juntando-se uma avultada verba. Em 1959 foi inaugurada.

Chega o momento de entrar no elevador e ascender a uma altitude de 110 metros. Estamos diante da estátua e tiramos as medidas como um alfaiate: o Redentor tem 28 metros, braços de 10 metros e cabeça de 5 metros. As centenas de visitantes disparam as fotografias sobre Lisboa, Costa do Sol, Sintra, Arrábida, Barreiro… Ali também podem apreciar painéis alusivos a passagens bíblicas do Arquitecto João de Sousa. Nesta Torre de Babel lemos em várias línguas que DEUS É AMOR.

Vemos uma loja de “recordações religiosas” e atravessamos as capelas: a do Divino Coração de Jesus, com três pinturas a óleo e treze vitrais; a Capela de Nossa Senhora da Paz, com obra de Leopoldo de Almeida e do arquiteto Sousa Araújo, onde se reza a oração das vésperas e o terço e se celebra a Eucaristia; a Capela dos Confidentes do Coração de Jesus onde se encontram relíquias de alguns santos, pinturas a óleo e uma escultura representando a aparição do Arcanjo a Nossa Senhora. Merece uma visita a Sala da Misericórdia com diversas pinturas sob o tema “DA MISERICÓRDIA DE DEUS”.

No imenso espaço exterior, à sombra de centenas de oliveiras, temos imagens da Via Sacra, a Cruz Alta de Fátima com 4 metros de altura e um coração que invoca as três virtudes cardeais: Fé, Esperança e Caridade.

Terminamos com um grande abraço à irmã brasileira da Congregação do Apostolado e do Sagrado Coração de Jesus, natural do Rio de Janeiro, agradecendo a sua grande simpatia.

Numa caixa transparente, deposito os meus votos para que Cristo dê muita saúde a todos os meus familiares e amigos.

Despeço-me olhando ao longe para o Cristo Rei, à chuva ou ao sol, sempre de grandes braços abertos para abraçar a Vida de todos nós.

António Alves Fernandes

Aldeia de Joanes

Agosto/2017

António Alves Fernandes

António Alves Fernandes

Comentários

Comentários